Boa tarde! Hoje é segunda, 15 de agosto de 2022

(11) 3104-4441

Ação do Banco do Brasil está descontada; o problema é o governo

Publicado em: 29/08/2021

Mesmo com descontos e negociando a múltiplos atraentes, analistas seguem pessimistas com os papéis do Banco do Brasil (BBAS3), muito por conta da interferência política na companhia.

A Ativa elevou o preço-alvo do banco de R$ 35 para R$ 38, o que implica potencial de alta de 29,8% ante o último fechamento.

“O Banco do Brasil é dono da maior carteira de crédito do país e possui diferenciais competitivos interessantes, como sua forte participação no crédito rural, que lhe garante resiliência em momentos adversos”, aponta o analista Leo Monteiro.

Ele lembra ainda que por ser uma empresa estatal, possui um P/VPA (Preço sobre Valor Patrimonial por Ação) menor que seus concorrências privados, o que abriria margem para uma possível valorização caso houvesse melhora na gestão do banco e redução nos riscos de interferência política.

“Entretanto, as recentes ações do governo, com demissões de diretores de estatais e ameaças ao programa de reformulação administrativa do banco, nos tornam céticos sobre uma possível melhora na governança e, portanto, optamos por nos manter neutros”, diz.

O ex-CEO André Brandão renunciou ao cargo em abril após abrir divergências com o presidente Jair Bolsonaro por conta do fechamento de agências.

O desgaste começou em janeiro: o BB anunciou um plano para fechar 361 agências e programa de demissão voluntária para 5 mil funcionários, o que não agradou o presidente.

“Apesar do desconto que o Banco do Brasil possui sobre seus pares privados, fruto da precificação de seu risco político no valuation, as recentes intervenções do Governo Federal no banco nos tornam céticos quanto ao fechamento desse desconto em um horizonte projetável”, completa.

Monteiro argumenta que os índices de inadimplência e cobertura do BB se encontram em patamares saudáveis e em linha com o esperado pelo setor.

A carteira de crédito também é um ponto positivo: por ser conservadora em relação aos outros bancos, apresenta menor risco.

No segundo trimestre, o Banco do Brasil lucrou R$ 5 bilhões, alta de 52% ante mesmo período do ano passado.

O número ficou um pouco acima do consenso do mercado, que esperava lucro de R$ 4,5 bilhões.

As provisões para devedores duvidosos caíram 49,8% ano a ano, embora tenham crescido 13,8% na base sequencial.

Fonte: Money Times

Fale Conosco
Precisa de Assessoria Jurídica?
Olá, tudo bem? Como a Assessoria Jurídica pode ajudar você? Mande sua dúvida ou informação que necessita.