Boa tarde! Hoje é sbado, 07 de dezembro de 2019

(11) 3104-4441

Bancos vão funcionar até às 20h de 2 a 6 de dezembro e sindicato cobra direitos

Publicado em: 28/11/2019

O Banco Central e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) firmaram um acordo para realizar uma ação de renegociações de dívidas e educação financeira entre os dias 2 e 6 de dezembro. Neste período, 261 agências do Banco do Brasil, Banrisul, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander de todo o país vão ficar abertas até as 20h.

O Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região cobrou esclarecimentos dos representantes desses bancos sobre a ação, condições de trabalho e o pagamento dos direitos dos bancários envolvidos. “Uma operação como essa envolve diversos fatores como estrutura, condições de trabalho, segurança e, principalmente, o correto pagamento de direitos dos bancários envolvidos”, pontuou a Secretária-Geral do Sindicato, Neiva Ribeiro. “É preciso que cada um destes pontos seja objeto de esclarecimento e negociação com as entidades representativas dos bancários”, enfatizou a dirigente.

A diretora do Sindicato disse, ainda, que se os bancos realmente desejassem melhorar a educação financeira da população deveriam começar abrindo mão da cobrança de taxas abusivas, juros extorsivos e do absurdo spread bancário. “É fácil falar em educação financeira colocando toda a responsabilidade nas costas dos clientes. Difícil é explicar que, somente este ano, apenas quatro bancos [Itaú, Santander, Bradesco e BB], já cobraram R$ 24,2 bilhões em tarifas dos clientes, crescimento de 7,1% em relação ao ano passado, enquanto a inflação [INPC] variou 2,89% no mesmo período. Difícil é explicar que os juros no cheque especial ultrapassam os 300% ao ano. Mais difícil ainda é explicar que o spread bancário no Brasil siga como um dos maiores do mundo. Também seria importante que os bancos apresentassem seus motivos para fecharem diversas agências nas periferias e municípios menores, onde a população mais precisa”, criticou Neiva.

Outra sugestão dada pela dirigente aos banqueiros para melhorar a educação financeira dos brasileiros foi “começar pelos bancos do país, que poderiam dar o exemplo exercendo a responsabilidade social que deveriam ter enquanto concessões públicas que são”.

MP 905 libera trabalho nos fins de semana

A decisão de estender o horário de 231 agências do país sem negociar as condições com o Sindicato vai no mesmo sentido das medidas autoritárias de retirada de direitos do governo de Jair Bolsonaro, como a edição da Medida Provisória (MP) 905, que altera mais de 86 itens da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e traz de volta a proposta já refeitada este no Congresso Nacional de liberar o trabalho nos finais de semana.

A MP chamada de Programa Verde e Amarelo tem como ponto central a criação de uma nova modalidade de contratação: a carteira verde e amarela cujo objetivo é criar emprego precário para jovens de 18 a 29 anos.

Tão logo a MP foi publicada no Diário Oficial da União, no dia 11 de dezembro, os representantes dos banqueiros informaram ao Sindicato que 40 bancos já haviam manifestado intenção de cumprir de imediato a medida, com jornada de 44 horas para todos, de segunda a sábado.

Para Neiva, é mais um ataque à categoria bancária. De acordo com ela, o aumento da jornada para 8 horas e a permissão para trabalho aos sábados, domingos e feriados são temas de negociação. “Cobramos que os bancos respeitem o processo negocial, construído ao longo de décadas, e não se aproveitem dessa MP para não pagar as devidas horas-extras aos bancários envolvidos nessa operação de renegociação de dívidas. Temos uma Convenção Coletiva de Trabalho em plena validade, assinada pelos bancos, que deve ser respeitada”, alertou.

Fonte: CUT