Boa tarde! Hoje é domingo, 07 de agosto de 2022

(11) 3104-4441

Cassi: Equilíbrio futuro dos planos exige gestão à altura dos desafios impostos pelo mercado

Publicado em: 22/07/2021

Alberto Júnior*

Em 2019, a Cassi passou por uma reforma estatutária com mudanças significativas no modelo de custeio, com destaque para a contribuição por dependentes, tanto pelo lado dos associados quanto pelo do banco. As mudanças nos trouxeram de volta ao equilíbrio econômico-financeiro, e vamos caminhando para mais um ano de superávit. Não em razão da gestão, mas exatamente pelo aumento das contribuições.

Some-se a isso o aumento das coparticipações em níveis que não encontra parâmetro em nenhum outro momento da Cassi, ainda mais em tempos de superávit.

Trabalhei mais de vinte anos na Cassi e, em paralelo, acompanho o mercado desde então. As transformações pelas quais o sistema de saúde privado brasileiro está passando nesse momento são de alicerces, de fundação, com novos conceitos e modelos de negócio.

Mas, a exemplo do que aconteceu na reforma estatutária de 2007, quando também apresentamos superávits seguidos, mais uma vez as medidas de gestão que estão sendo tomadas pela Cassi não produzirão qualquer efeito sobre resultados futuros. E logo virão os déficits.

Em 2020, com o advento da pandemia, vimos o mercado retrair com redução das despesas assistenciais dos planos de saúde, levando a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) a definir um reajuste negativo para os planos individuais.

Mas não vamos nos enganar, essa retração se deu na utilização, com o adiamento de procedimentos eletivos e menor procura dos serviços de saúde pelos usuários. Os preços não somente não reduziram como aumentaram neste período. Isso fez, por exemplo, com que o Plano de Associados não tivesse redução de sua despesa assistencial de 2019 para 2020, como a maioria dos demais planos do mercado.

As previsões de mercado é que a partir de 2022 a utilização dos planos já retome a normalidade. Espera-se um crescimento rápido e significativo das despesas. Com um superávit tão baixo como o da Cassi, é possível que em 2023 já tenhamos déficit operacional e, em 2024, a volta da utilização das reservas.

Mas a grande preocupação é que a partir de 2024 a Cassi já esteja prestando serviço a preços bem maiores que os planos de mercado. Isso porque, como já dissemos, estes planos estão passando por mudanças nos seus modelos de gestão, voltados para o negócio, enquanto a Cassi insiste em mudanças voltadas para dentro, para processos internos.

Basta ver a estrutura da sede da Cassi, onde o Banco e seus indicados detém a grande maioria das áreas, com cerca de 70% da folha de pessoal destacada para controles internos, departamento de pessoal, jurídico, financeiro, desenvolvimento organizacional, secretaria, auditoria, etc. Enquanto isso, apenas 30%, ou menos, se voltam para pensar o negócio – regulação, negociação e saúde.

No quadro da sede não deve ter hoje mais que cinco ou seis médicos de um total de cerca de 400 funcionários. Já demais profissionais de saúde, não sei se chegam a 15, e quase nenhum deles em cargos estratégicos. Aliás, a maioria dos Gerentes Executivos das áreas do BB não tem ou tiveram qualquer experiência na área de saúde. A burocracia impera!!

Além disso, temos outras constatações. Basta ver no balanço da Cassi em que, desde a reforma, o nível de investimento é ZERO. O que está lá decorre de investimentos feitos antes mesmo de 2007. E se não fizermos investimentos agora que temos superávits, ao começarem os déficits será quase impossível.

O número de participantes dos planos, seja de Associados e Cassi Família, está reduzindo. O Cassi Família gera fuga em razão do alto preço (gerado pelos altos custos dos serviços) e o Plano de Associados perde novas em razão da política do BB de enxugamento do quadro.

A política do BB de reestruturação com manutenção e redução de salários, transformando salários em PLR, também reduz ou congela a arrecadação da Cassi.

Estimo que, mantida essa dinâmica, em não mais que dez anos estejamos gastando o dobro do que arrecadamos e talvez seja tarde demais. Tarde demais porque o alto custo do plano não permitirá mais mudanças estatutárias com alterações de custeio que sejam viáveis para os associados. E no contraponto teremos planos de mercado muito mais baratos, que exercerão grande atratividade ao BB e àqueles que desejam pagar menos pelo plano.

Mas é possível mudar essa realidade, basta apenas que tenhamos gestores que conheçam o mercado e os desafios que estão postos. E que tenham coragem de enfrentá-los.

*É funcionário do Banco do Brasil e atua há 20 anos no mercado de saúde como executivo e consultor. Já ocupou várias funções gerenciais e executivas na Cassi e foi superintendente da Unidas no Distrito Federal

Fonte: Sindicato dos Bancários do Distrito Federal

 

Fale Conosco
Precisa de Assessoria Jurídica?
Olá, tudo bem? Como a Assessoria Jurídica pode ajudar você? Mande sua dúvida ou informação que necessita.