Boa tarde! Hoje é sexta, 12 de agosto de 2022

(11) 3104-4441

Centrão cobiça duas vice-presidências do Banco do Brasil

Publicado em: 09/04/2021

O centrão marcha sobre o organograma do governo Bolsonaro com rara desenvoltura. Não para de crescer e absorver. Já não se contenta com tudo. Quer mais um pouco. Na semana em que colocou os pés no Planalto, o centrão intensificou a pressão para obter o controle de duas das sete vice-presidências do Banco do Brasil. A prioridade do grupo é a vice-presidência que cuida do agronegócio.

O olho do centrão engordou depois que Fausto Ribeiro foi nomeado por Bolsonaro nesta semana para substituir André Brandão, que renunciou à presidência do Banco do Brasil em março. Brandão saiu pela porta de incêndio porque Bolsonaro o impediu de implantar um programa de demissão voluntária e fechamento de agências para reduzir custos. A reestruturação saiu dos trilhos por pressão dos aliados do governo no Congresso.

Na última quinta-feira, dia em que a nomeação de Fausto Ribeiro foi formalizada por Bolsonaro, o presidente do Conselho de Administração do Banco do Brasil, Hélio Magalhães, e um conselheiro, José Guimarães, renunciaram aos cargos. Outros dois conselheiros estão aborrecidos com a novidade: Luiz Serafim Spinola Santos e Paulo Roberto Evangelista.

A saída de André Brandão foi vista como uma derrota para o ministro Paulo Guedes (Economia). Egresso do banco HSBC, ele realizava uma gestão técnica no Banco do Brasil. Extinguiu duas vice-presidências. Nas sete que manteve, acomodou funcionários de carreira, sem vínculos políticos. Sua saída funcionou como uma senha para a fase do liberou geral. Daí o assanhamento do centrão.

O que leva deputados e senadores a reivindicarem o controle de poltronas no Banco do Brasil? Você pode acreditar que é por patriotismo. Mas será assaltado (ops!) por uma dúvida se ouvir um trecho do depoimento de Paulo Roberto Costa, primeiro delator da Lava Jato.

Funcionário de carreira da Petrobras, o engenheiro Paulo Roberto tinha currículo e experiência para tornar-se diretor de Abastecimento da companhia. Mas os requisitos técnicos pesaram menos do que o apadrinhamento político. O então presidente Lula permitiu que o PP, partido do atual chefe da Câmara Arthur Lira, se apoderasse da alma de Paulo Roberto.

Em sua delação, Paulinho, como Lula o chamava, resumiu a metamorfose que o transformou de funcionário exemplar em corrupto confesso: “Eu trabalhei na Petrobras por 35 anos. Vinte e sete anos do meu trabalho foram trabalhos técnicos, gerenciais. E eu não tive nenhuma mácula nesses 27 anos.”

Paulinho prosseguiu: “Se houve erro —e houve, não é?— foi a partir da minha entrada na diretoria por envolvimento com grupos políticos, que usam a oração de São Francisco, que é dando que se recebe. Eles dizem muito isso. Então, esse envolvimento político, […] que tinha em todas as diretorias da Petrobras, é uma mácula dentro da companhia.”
Quer dizer: os apadrinhados dos partidos políticos devem obediência aos seus padrinhos, não aos contribuintes que lhes pagam o salário. Eleito com a falsa promessa de banir da administração pública os métodos do centrão, Bolsonaro, com os pés de barro expostos no caso da rachadinha, confraterniza com os maus costumes.

Os partidos do centrão e assemelhados já controlam três ministérios: Cidadania (João Roma), Comunicações (Fábio Faria) e, desde quarta-feira, a pasta responsável pela coordenação política do Planalto (Flávia Arruda). No segundo escalão, o grupo beliscou órgãos do porte do FNDE, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) —um cofre de R$ 50 bilhões anuais.

O centrão controla também o Dnocs, Departamento Nacional de Obras contra a Seca. Beliscou ainda a presidência do Banco do Nordeste. Agora, força a porta de acesso a duas vice-presidência do Banco do Brasil.

Nesse ritmo, logo ficará verde o “sinal amarelo” que o presidente da Câmara, Arthur Lira, disse ter acendido no discurso em que ameaçou Bolsonaro com o impeachment. O lero-lero segundo o qual o Congresso dispõe de remédios “amargos” e “fatais” para lidar com presidentes ineptos é coisa de quem está irritado. E o centrão não costuma ficar com raiva. Fica com tudo.

Fonte: Uol

 

 

Fale Conosco
Precisa de Assessoria Jurídica?
Olá, tudo bem? Como a Assessoria Jurídica pode ajudar você? Mande sua dúvida ou informação que necessita.