Boa tarde! Hoje é tera, 05 de julho de 2022

(11) 3104-4441

Para Previ, gestão de patrimônio é acertada no longo prazo

Publicado em: 20/12/2016

Único entre os investigados na Operação Greenfield da Polícia Federal que não sofreu troca de presidente, o Previ, maior fundo de pensão do país, não vê problemas de gestão na entidade. Com R$ 168,7 bilhões de patrimônio para administrar, diz que o retrato dos últimos dois anos não compromete em nada os altos rendimentos dos últimos 10 anos. Quando questionada sobre a alta exposição em ativos de risco a entidade explica que a Previ tem um horizonte histórico de 70 anos e que a renda variável no longo prazo faz todo sentido.

O presidente do fundo, Gueitiro Genso, lembra que nos anos 2000 a instituição tinha participação de mais de 50% em renda variável. Nos anos 70, de 90%. Mas a renda variável colhe os frutos bons e ruins da economia. “Na década passada tivemos rentabilidades tão altas que fizemos 25% além de reserva matemática. E fizemos destinação. Baixamos os juros atuariais para 5%. E ficamos sete anos sem contribuir para o fundo”, diz Genso. No ano passado, por causa da inflação alta e da desvalorização dos ativos brasileiros decorrente da crise, a entidade teve um déficit de R$ 16,1 bilhões.

O presidente da Previ reconhece, no entanto, que os atuais 48% de exposição em renda variação no seu plano maduro (Previ 1) é elevado demais. “Estamos fazendo trabalho de desinvestimento. Tanto que estamos saindo da CPFL Energia. A nossa vantagem é que não precisamos nos desfazer dos ativos baratos. Estamos diminuindo renda variável”. O executivo estima que só com a operação de venda da CPFL, a Previ deva receber R$ 7,5 bilhões. Mas, na medida em que a taxa Selic convergir para um dígito, o executivo vê como normal que o mercado de capitais fique mais ativo. “Letras financeiras de bancos, debêntures de primeira linha devem ficar mais aquecidos. O que um fundo maduro não pode é investir em equity. Porque não temos prazo tão longo para isso”.

Com relação a Greenfield, Genso admite que a Previ fez algumas apostas erradas, como a da Sete Brasil, onde perdeu R$ 180 milhões e a da Global Equity, FIP, com prejuízo de R$ 80 milhões, mas que as operações são pequenas e estão provisionadas no balanço de dezembro. A entidade fechou agosto com um desempenho acumulado em 2016 acima da meta atuarial. No plano 1, de benefício definido, a rentabilidade no período foi de 12,64%, acima da meta de 9,6%. No plano de contribuição variável, o retorno foi de 18,4% para o alvo de 9,6%. Em 2017, a meta atuarial deve ficar em INPC + 5%.

Fonte: http://www.valor.com.br/financas/4801729/para-previ-gestao-de-patrimonio-se-mostra-acertada-no-longo-prazo

Fale Conosco
Precisa de Assessoria Jurídica?
Olá, tudo bem? Como a Assessoria Jurídica pode ajudar você? Mande sua dúvida ou informação que necessita.