Boa tarde! Hoje é domingo, 19 de maio de 2024

(11) 3104-4441

Quais bancos são mais transparentes na hora de pegar empréstimo

Publicado em: 04/04/2024

“Leia as letrinhas miúdas, todos os asteriscos, tire as dúvidas, pergunte sobre as taxas e tarifas adicionais, questione sobre penalidades em caso de inadimplência e faça simulações das parcelas”. Essas são as recomendações gerais para quem vai pegar empréstimo. Mas nem sempre uma experiência positiva depende somente da atenção ou do empenho do consumidor. As instituições financeiras também têm de fazer sua parte, sendo claras e objetivas com os clientes.

O Índice de Transparência da Novücard, empresa de cartões de crédito, aponta o Banco do Brasil (BB) como a instituição mais transparente com tomadores de créditos, atingindo uma nota de 3,57 em uma escala de um a quatro. A medalha de prata vai para o Nubank, com 3,28 pontos. O terceiro lugar é um empate entre o Itaú e o Will Bank (novato no ranking), ambos com escores de 3,06. Os dados se referem ao segundo semestre de 2023.

“Entendemos que esta posição no topo do ranking é resultado do uso intensivo de dados e profundo conhecimento das necessidades dos nossos clientes, o que gera um relacionamento próximo entregue por meio de soluções cada vez mais personalizadas com a melhor experiência de aquisição em qualquer canal, físico ou digital, para os diferentes perfis de clientes”, diz a vice-presidente de Negócios de Varejo do BB, Carla Nesi.

“O Nubank nasceu há mais de dez anos para combater a complexidade e devolver às pessoas o controle sobre suas vidas financeiras. Nossa abordagem é simples, transparente, totalmente digital e sem intermediários, o que cada vez mais faz toda a diferença para o cliente”, afirma João Reis, líder de produtos de empréstimo pessoal no Nubank.

Apesar da liderança em segmentos-chave do mercado de crédito brasileiro, como crédito consignado e financiamentos habitacionais, a Caixa é classificada como a instituição financeira com as piores práticas de transparência entre as avaliadas, com uma pontuação de 1,80 numa escala que vai até quatro. Em destaque negativo, o Banco Safra fica na segunda posição. A BV Financeira teve a terceira pontuação mais baixa do grupo. O Banco do Nordeste é outra importante instituição pública que figura entre as cinco menos transparentes.

Taxas escondidas, linguagem imprecisa e dificuldades no atendimento tanto antes quanto depois de pegar o empréstimo foram alguns dos pontos analisados para compor a lista que inclui 18 instituições financeiras, que juntas concedem crédito para 80 milhões de clientes. O estudo também avaliou as reclamações no Banco Central e no site Reclame Aqui.

“Muita gente não sabe quanto está pagando de juros, taxas e alíquotas envolvidas. Desta forma, diversas pessoas são pegas de surpresa ao verem dívidas pequenas se tornarem cifras astronômicas”, explica, em nota, Brad Liebmann, fundador da Novücard.

Não é raro que, ao se deparar com taxas ou parcelas que sobem de uma hora para outra, o consumidor se sinta enganado. O prejuízo é ainda maior para pessoas que já estão em situação de vulnerabilidade financeira. Muitas vezes, o processo termina com uma dívida maior que o esperado e difícil de quitar.

Por isso, a transparência é fundamental para que os clientes possam tomar decisões mais conscientes e evitar o endividamento. O Custo Efetivo Total (CET) ainda é um termo desconhecido para uma boa parcela da população, que não entende bem as condições daquilo que contrata.

O CET se constitui majoritariamente de taxas e juros, mas costuma incluir também tarifas, encargos e seguros. Como o nome sugere, este é o custo real do empréstimo ou financiamento e por isso é indispensável que esteja explícito no contrato, do modo mais compreensivo possível.

Segundo o Índice de Transparência da Novücard, o nível de transparência das instituições financeiras cresceu 6,8% em média entre o primeiro e o segundo semestre de 2023. E essa melhora poderá ser ainda mais acentuada a partir de 1º de julho de 2024, quando entra em vigor a Resolução Conjunta nº 8 do BC e do Conselho Monetário Nacional (CMN). O texto exige que bancos e fintechs promovam educação financeira em suas plataformas.

Na prática, várias instituições têm conteúdo e programas voltados à educação financeira. Mas agora a política poderá ser cobrada/vigiada pelo poder público. É importante ressaltar que o Índice de Transparência não avalia as melhores taxas e condições, mas a forma de comunicação entre os bancos e seus clientes, para evitar que eles saiam prejudicados por estarem mal informados.

O levantamento de transparência também mostrou que o Banrisul e Banco Inter se destacaram ao evoluir nos seis meses que separam uma edição da outra do índice. Ambos passaram a divulgar as taxas máximas de seus produtos e com isso melhoraram sua pontuação.

Fonte: Valor Investe

Fale Conosco
Precisa de Assessoria Jurídica?
Olá, tudo bem? Como a Assessoria Jurídica pode ajudar você? Mande sua dúvida ou informação que necessita.