Fundação BB faz doação para produtores rurais e 5 mil famílias em Mogi

Publicado em: 14/05/2020

Uma ação considerada inovadora e ágil pelos participantes uniu a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio da Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS) Regional Mogi das Cruzes, a Fundação Banco do Brasil, a Prefeitura de Mogi das Cruzes e, principalmente, os produtores rurais, para entregar 10 mil cestas de alimentos para cinco mil famílias em situação de vulnerabilidade. A primeira entrega ocorreu nos dias 6 e 7. Outras seis entregas serão feitas dentro de um mês, em uma ação que teve o aporte de R$ 1 milhão repassados pela Fundação Banco do Brasil para pagamento dos produtores rurais.

Quem conta como tudo ocorreu é o sociólogo da CDRS Regional Mogi das Cruzes, David Rodrigues, que é responsável, no âmbito da Regional, pelas organizações rurais. “A ação toda foi muita rápida. A produtora Simone Silotti, vendo a necessidade de fazer algo para que os produtores rurais do bairro Quatinga pudessem escoar a sua produção e obter renda para sobreviver, organizou uma ‘vaquinha virtual’ para angariar dinheiro. As perdas foram tantas, que chamaram a atenção da mídia e da Fundação Banco do Brasil, a qual estava atenta em busca de ações que pudessem auxiliar os agricultores familiares durante a pandemia”, disse o técnico. Simone afirma que 60 produtores rurais foram envolvidos e estão oferecendo, nesta primeira fase, alimentos frescos e saudáveis para as famílias: “Foram 40 toneladas de folhosas, entre alfaces, agrião e rúcula; 40 toneladas de legumes; 20 toneladas de frutas; e, ainda, cogumelos Shimeji para as primeiras entregas”.

Simone se emociona ao agradecer o apoio recebido: “Foi a maior e mais linda ação da qual eu já pude participar; está permitindo manter a estabilidade dos 65 produtores rurais envolvidos e prover a alimentação para as cinco mil famílias que vão se beneficiar destas cestas”. A produtora, liderança muito ativa no bairro Quatinga, onde 11 famílias de agricultores familiares vivem da produção de olerícolas, reforça que “todos foram remunerados com preço justo”. A produtora de cogumelos Shimeji, Jaqueline Mognon, disse: “Esse projeto trouxe socorro e esperança para as famílias, tanto as que produzem quanto as que estão recebendo os alimentos; além disso, para mim, foi uma oportunidade de propiciar que essas famílias pudessem experimentar e apreciar o Shimeji, um produto que normalmente não está presente na mesa dessas famílias; por tudo isso, é importante que delas. Contem com o nosso comprometimento nesta ação”. Rogério e o pai, Francisco Miranda, produtores de hortaliças hidropônicas no bairro Quatinga, afirmaram: “Nunca vimos nada igual a essa ação, que em pouco tempo mobilizou a todos”.

Para que os produtos pudessem ser adquiridos, entrou em ação o técnico da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, que procurou a Cooperativa dos Produtores Rurais de Jundiapeba e Região (Cooprojur), que congrega 32 famílias de produtores rurais, e a Cooperativa dos Produtores de Santa Isabel (Coarpro), outro município atendido pela CDRS Regional Mogi das Cruzes, que tem em seu quadro 22 famílias de produtores de frutas como caqui, goiaba, ponkan e banana, que se somaram aos 11 produtores do bairro Quatinga. “Os produtores de caqui já vinham sofrendo muitas perdas, foi uma forma de integrá-los a essa ação”, conta David Rodrigues, que ficou com a responsabilidade de fazer a interlocução e integração entre os vários atores − produtores, cooperativas, Prefeitura e Fundação Banco do Brasil. “Prestamos assessoria técnica, auxiliamos na documentação necessária e ajudamos a organizar a logística das entregas”, afirmou o sociólogo. O recurso é de R$ 1 milhão e sua gestão ficará a cargo da Cooprojur, que fará a compra dos gêneros alimentícios diretamente dos agricultores.

O Banco do Brasil e a Fundação Banco do Brasil iniciaram o trabalho com o objetivo de manter a renda dos agricultores, garantir a produção e o fornecimento de alimentos, além de promover a segurança alimentar das pessoas impactadas pela pandemia. Segundo a Fundação,“a iniciativa apoia o processo de comercialização dos agricultores do Cinturão Verde de São Paulo, minimiza o impacto da pandemia e promove a geração de trabalho e renda. Diversos produtores estavam impossibilitados de realizar a venda da produção de hortifrutigranjeiros, que anteriormente era destinada aos restaurantes, bares e feiras das cidades da região. A produção de alimentos estava retida no campo e, por se tratarem de produtos perecíveis (alface, rúcula, agrião, couve, dentre outros), poderia ser descartada”, continua a instituição.

“Todos os objetivos foram atingidos com esta ação”, afirma David Rodrigues, que disse ter contado muito com o apoio do diretor da CDRS Regional Mogi das Cruzes, Felipe Monteiro. “A interlocução entre a Secretaria da Agricultura e a Prefeitura vem sendo feita há anos via Regional, temos um ótimo trabalho parceiro que permitiu a agilidade dessa e de outras ações que realizamos”, disse Felipe.

Cada família será atendida em duas ocasiões – nos dias 6, 7 e 8 e nos dias 12, 13 e 14 deste mês – e em mais seis dias do próximo mês (junho). “Essa divisão proporcionou que não houvesse aglomeração e a entrega pudesse ser mais organizada; as entregas em cada dia são feitas nas associações de moradores, que se organizam para buscar as cestas. O recurso será de R$ 250 mil a cada 2.500 cestas, totalizando R$ 1 milhão para confecção de 10 mil cestas”, (inserir o autor da fala).

A ideia é que outros produtos não perecíveis, como arroz, feijão e açúcar, sejam adquiridos de pequenos estabelecimentos, como uma forma de incentivar o comércio local. Para atender às determinações sanitárias, todas as pessoas envolvidas no projeto estão utilizando máscaras, luvas e álcool em gel. Também fazem parte do kit produtos de higiene e limpeza.

“É um trabalho em rede, que une quem está precisando vender no campo às pessoas que, com a pandemia, estão necessitando de alimentação. O objetivo é apoiar o processo de comercialização dos agricultores familiares e o provimento básico de alimentos e material de higiene às pessoas vulneráveis impactadas pela Covid-19”, explicou a secretária municipal de Assistência Social de Mogi das Cruzes, Neusa Marialva.

A Fundação Banco do Brasil vem desenvolvendo diversas ações semelhantes, de assistência social e saúde em meio a crise gerada pela Covid-19, em outras cidades, estados e regiões do País.

Fonte: Secretaria da Agricultura de São Paulo

Prefeitura de Várzea Grande e BB assinam convênio para ação social na cidade

Publicado em: 24/08/2018


Foi assinado convênio entre a Prefeitura de Várzea Grande e o Banco do Brasil para execução de trabalho social a ser realizando no residencial São Benedito etapa 1,do Programa do Governo Federal, Minha Casa, Minha Vida, no valor de R$ 395.910,00 ,recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), o que vai beneficiar 1.200 famílias.

O ato de assinatura ocorreu na manhã desta terça-feira (21), no gabinete da prefeita Lucimar Sacre de Campos e contou com a participação da Gerente Geral do Banco do Brasil,Gislene Aparecida Peperário, e do superintendente da instituição bancária de Várzea Grande Marcos Paulo Bancow.

33816_1_md

O convênio vai permitir que a secretaria de Assistência Social possa realizar o Projeto Social Preliminar (PTS-P),que é o levantamento de dados e diagnóstico das famílias para a preparação do Plano de Desenvolvimento Socioterritorial (PDST). Já nesse período serão realizadas ações de geração de renda, oficinas, palestras e cursos obedecendo aos Eixos de acordo com a Portaria nº 21, que rege sobre as obrigações sociais do Programa Federal.

Para a prefeita Lucimar Sacre de Campos, a articulação e a participação dos beneficiários com movimentos sociais, inclusos nas redes de Assistência Social, organizados em associações, conselhos, fica mais fácil interagir com o Poder Público buscando melhorias para a localidade onde vivem.

“Para se ter uma ideia o residencial São Benedito etapa 1 é constituído de 498 unidades habitacionais, localizado na região do Grande São Matheus e Parque Sabiá em nosso município. Significando que ali moram cerca de 1.200 pessoas ou mais só nesta etapa. As casas foram construídas sem os equipamentos públicos.Eles necessitam de unidade de saúde, espaço de lazer, escola entre tantas outras necessidades.Este Diagnóstico vai mostrar para nós o que é mais urgente.Fora isso a prefeitura já está construindo na Região uma unidade escolar e uma creche, o que vai minimizar os problemas de acesso das crianças em uma unidade escolar. Vão poder estudar perto onde residem. Este é o propósito deste convênio dar mais qualidade de vida a todos”, explicou a prefeita.

Para a Gerente Geral do Banco do Brasil ,Gislene Aparecida Peperario, Várzea Grande tem necessidades urgentes e o Banco do Brasil linhas de financiamentos para ajudar no desenvolvimento socioeconômico da cidade. “ Várzea Grande é uma cidade promissora, e hoje têm uma gestão forte, que mantém suas certidões negativas em dia e paga seus fornecedores. São pontos avaliados pelo Banco como fortes indicativos de se estabelecer e fornecer linhas de crédito. É o que estamos em curso hoje com a linha de financiamento que está em execução e o município cumprindo suas etapas , no asfaltamento da cidade com crédito de R$ 20 milhões. E após este financiamento a instituição bancária já estuda novas parcerias, para que Várzea Grande continue crescendo e desenvolvendo”, disse a gerente geral.

A secretária de Assistência Social, Flávia Omar,disse que o crédito concedido pelo Banco objetiva a articulação de políticas públicas, o apoio e a implementação de iniciativas de geração de trabalho e renda, visando à inclusão produtiva, econômica e social, de forma a promover o incremento da renda familiar e a melhoria da qualidade de vida da população moradora do residencial e ainda fomentando condições para um processo de desenvolvimento socioterritorial de médio e longo prazo.

“O Trabalho Social é um conjunto de estratégias, processos e ações, realizado a partir de estudos e diagnósticos integrados e participativos do território. Nesse diagnóstico são compreendidos dimensões: sociais, econômicas, produtiva, ambiental e político institucional do território e dos moradores daquela localidade. Após será feita a inclusão produtiva coerente com o potencial econômico e as características culturais da região, além de promover capacitação profissional e estímulo à inserção no ensino formal, especialmente de mulheres chefes de família, em situação de pobreza extrema, visando à redução do analfabetismo, o estímulo a sua autonomia e à geração de renda”, explicou.

A secretária destacou ainda que a conquista de uma moradia representa uma vitória, fortalece a base familiar e garante um futuro com tranquilidade e segurança. “Agora vamos promover o diagnóstico urbano social e concentrar esforços no assessoramento as famílias e grupos organizados no território para consolidação dos ganhos obtidos com a nova condição habitacional”.

Fonte: O Documento