Prefeitura de Ribeirão Preto fecha parceria com BB para investir R$ 75 milhões em obras

Publicado em: 18/09/2019

Foi assinada na tarde desta terça-feira, 17 de setembro, a lei que autoriza a Prefeitura de Ribeirão Preto a contratar operação de crédito junto ao Banco do Brasil no valor de R$ 75 milhões.

Os recursos serão destinados a várias melhorias para a cidade. Grande parte do montante, R$ 36 milhões, será destinada para obras de mobilidade urbana, como recapeamento e pavimentação de vias públicas.

2019_investimento_b.b_75_milhoes_16_09_2019_alexandre_de_azevedo_004

A Secretaria da Educação receberá R$ 20 milhões para a construção de sete Centros de Educação Infantil (CEI), que atendem crianças de zero a três anos de idade. As novas unidades permitirão a criação de 2.509 vagas, suprindo a demanda de vagas na educação infantil municipal.

A cultura da cidade também será contemplada. Investimentos de R$ 13,45 milhões serão utilizados para reforma do Museu do Café, da Locomotiva da Praça Schmidt e do Palácio do Rio Branco, entre outros equipamentos culturais.

Outros R$ 6 milhões serão destinados à aquisição de veículos e equipamentos para as Secretarias de Infraestrutura, Meio Ambiente, Esporte, Saúde, Limpeza Urbana e Segurança Pública.

“Estamos trabalhando para assegurar os investimentos que a cidade necessita, dando um salto de modernidade, qualidade nos serviços prestados à população e mobilidade urbana de Ribeirão Preto”, informou o prefeito Duarte Nogueira.

A lei foi assinada no gabinete do chefe do Executivo e contou com a presença do secretário de Governo, Alberto José Macedo, do coordenador para Fomento de Projetos, André Almeida de Moraes, além dos representantes do Banco do Brasil, Silvio Pereira, Fabrício Palmieri e Kleper da Silveira Palhano.

Fonte: Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto

Operação prende suspeitos que usavam correntistas da extinta Nossa Caixa para aplicar golpes

Publicado em: 11/01/2018

Quatro pessoas foram presas na manhã desta quinta-feira (11) durante a Operação Têmis, que investiga advogados de Ribeirão Preto (SP) suspeitos de fraudes judiciais. A Polícia Civil estima que o golpe tenha causado prejuízo de R$ 100 milhões a instituições bancárias.

Ao todo, sete mandados de prisão preventiva e 20 de busca e apreensão estão sendo cumpridos. A operação é realizada pelo Centro de Inteligência da Delegacia Seccional de Ribeirão, em conjunto com o Ministério Público e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Em nota, a Polícia Civil informou que, após um ano de investigações, identificou uma organização criminosa – composta por advogados – que praticava fraudes processuais, exigindo na Justiça supostas diferenças de expurgos inflacionários decorrentes dos planos Collor, Verão e Bresser.

Os beneficiários seriam correntistas do extinto banco Nossa Caixa, incorporado pelo Banco do Brasil. Entretanto, a investigação identificou que os autores dos processos – todos estão sob sigilo de Justiça – têm nomes comuns, inclusive homônimos.

“Verificou-se que os supostos autores das ações possuem nomes comuns, com diversos homônimos, não guardando vínculo pessoal ou profissional com o domicílio das contas, ou as comarcas onde foram distribuídas as ações e, na verdade, apurou-se que não eram os verdadeiros correntistas”, diz o comunicado.

O esquema

Segundo o Ministério Público, os suspeitos conseguiam ilegalmente o cadastro de clientes de bancos e entravam com ações judiciais sem que as pessoas soubessem que os nomes delas eram usados. A suspeita de que funcionários das instituições financeiras estejam envolvidos na fraude não está descartada.

Com a relação de correntistas em mãos, assim como os números das contas bancárias e os respectivos valores depositados na década de 1990, os investigados saíam à procura de homônimos residentes em Ribeirão e região para usá-los nas fraudes.

As vítimas assinavam procurações em meio a outros documentos, sem nenhum conhecimento. Inadimplente, a maioria dessas pessoas era abordada pelos advogados ou por intermediários deles, com a promessa de conseguirem quitar as dívidas.

O MP informou que os suspeitos também usavam uma associação para atrair inadimplementes, prometendo “limpar os nomes sujos”. A empresa, localizada na Avenida Costábile Romano, ficava a 150 metros de dois escritórios de advocacia que também são alvos da Operação Têmis.

Investigação

Ainda de acordo com a polícia, o caso passou a ser investigado após a identificação de inúmeras ações judiciais cíveis para cumprimento de sentença em diversas comarcas paulistas, sempre com o mesmo teor: pagamento de diferenças de expurgos inflacionários do “Plano Verão”.

“Com isso, a fraude processual baseada em quebra de sigilo bancário e subsequente captação de clientela induziu a erro o poder judiciário e poderia ocasionar um prejuízo estimado aos bancos em torno de cem milhões de reais”, diz a nota.

A operação foi batizada de Têmis, divindade grega que representa a Justiça e é representada com uma balança equilibrada na mão esquerda e uma espada, na direita. Além disso, Têmis carrega as tábuas da lei e tem os olhos vendados, o que significa que é imparcial.

As buscas estão sendo realizadas desde às 6h em nove residências e quatro escritórios, sendo um deles de advocacia. Três advogados já foram presos. Os suspeitos estão sendo conduzidos à Central de Flagrantes da Polícia Civil e depois serão encaminhados ao Centro de Detenção Provisória.

Fonte: G1

Banco do Brasil disponibiliza R$ 12 bilhões para Pré-custeio

Publicado em: 26/01/2017

O Banco do Brasil anunciou a oferta de R$ 12 bilhões para a aquisição antecipada de insumos – o Pré-custeio – na última quinta-feira, 19, em Ribeirão Preto (SP). O volume é ofertado em linhas com recursos controlados, oriundo das captações próprias da Poupança Rural e dos Depósitos à Vista, representando uma elevação de 20% ao volume desembolsado na atual safra, que se encerra em 30 de junho de 2017. O evento contou com a presença do presidente da República Michel Temer e o presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli.

Os recursos estão disponíveis aos médios produtores, no âmbito do Pronamp (Programa Nacional de Apoio aos Médios Produtores Rurais) com taxas de 8,5% a.a., até o teto de R$ 1,5 milhão. Os demais produtores rurais acessam o crédito com encargos de 9,5% a.a. até o teto de R$ 3 milhões, descontados os valores de recursos controlados já contratados no semestre anterior.

A antecipação dos financiamentos de custeio para as culturas da safra de verão 2017/2018, a exemplo de soja, milho, arroz e café, permite melhores condições aos produtores para o planejamento de suas compras junto aos fornecedores e contribui para o incremento das vendas de sementes, fertilizantes e defensivos, proporcionando maior rentabilidade aos empreendimentos e produzindo reflexos positivos em toda a cadeia produtiva.

Ao proporcionar melhores condições aos produtores rurais, o BB reforça sua posição como maior parceiro do agronegócio brasileiro, apoiando desde o pequeno produtor até as agroindústrias, reafirmando o compromisso com a satisfação dos clientes.

O apoio técnico e creditício que o BB oferece ao setor agropecuário estimula a economia do País, além de contribuir para a melhoria das condições produtivas e de modernização dos empreendimentos rurais.

Fonte: O Girassol