Banco do Brasil fechou 29 agências na Bahia em 2021

Publicado em: 20/05/2021

O plano de fechamento de agências e postos de atendimento anunciado no início do ano pelo Banco do Brasil foi colocado em prática nos últimos meses. Somente na Bahia, 29 agências foram fechadas ou transformadas em postos sem movimentação de dinheiro. Os dados foram confirmados à Agência Sertão pelo Sindicato dos Bancários da Bahia.

Em Salvador, foram fechadas três agências, localizadas na sede da Petrobras, no Aeroporto e no Campus da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Já no interior, 27 municípios perderam agências – Aratu, Abaíra, Aporá, Aramari, Feira de Santana (agência da Av. Getúlio Vargas), Barrocas, Biritinga, Brejões, Canápolis, Central, Costa do Sauipe, Encruzilhada, Ibirapitanga, Itagi, Itaquara, Lagoa Real, Lajedo do Tabocal, Pau Brasil, Piatã, Retirolândia, Barreiras (Rio de Ondas), Sebastião Laranjeiras, Teodoro Sampaio, Tremedal, Tanquinho e Uruçuca.

Segundo o sindicato, também estava previsto o fechamento da agência da cidade de Filadélfia, no entanto, a medida acabou sendo cancelada pelo banco. Em nota, o sindicato afirmou que o novo plano de reestruturação implementado pelo banco contribui para o desmonte da empresa. “A direção do Banco do Brasil fecha centenas de agências e demite 5 mil funcionários, com o novo plano de reestruturação, que, na prática, desmonta a empresa. Diante da ofensiva, o movimento sindical amplia as ações em defesa das estatais”, disse.

O sindicato ressalta ainda que são realizadas diversas manifestações e protestos presenciais e virtuais, para chamar atenção da sociedade sobre os prejuízos do sucateamento ao país. e que a justificativa usada pela empresa de aumento da digitalização é falsa.

“Na pandemia, as aglomerações na porta das agências deixaram evidente que a maioria da população não tem acesso às ferramentas digitais. Para se ter ideia da importância dos bancos públicos para o Brasil, dos 5.570 municípios do país, somente 3.256 possuem agências bancárias, sendo que em 990 só tem unidade do BB ou de outro banco público”.

O fechamento das agências do BB foi aprovado pelo Conselho de Administração do banco dentro do plano estratégico para o quinquênio 2021-2025. Além do fechamento de 361 unidades de atendimento, para reduzir despesas, foi adotado também um plano de demissão voluntária, que teve 5,5 mil adesões.

A meta é fechar todas as agências deficitárias em pequenos municípios. Os clientes atingidos estão sendo direcionados para outras agências em outras cidades, com distância média de 25 quilômetros, segundo o BB. No momento, não previsão para fechamento de novas agências na Bahia.

Fonte: Agência Sertão

BB é condenado por assédio moral pelo Ministério Público do Trabalho na BA

Publicado em: 23/10/2019

Diante de diversos casos de assédio moral, o Banco do Brasil foi condenado a pagar indenização coletiva de R$ 600 mil, além de ser obrigado a divulgar os termos da decisão para todos os funcionários. Porém, a instituição financeira só tem propagado a decisão judicial na rede interna da Dipes (Divisão de Ética e Ouvidoria Interna).

Segundo as acusações do MPT (Ministério Público do Trabalho), as denúncias são sobre retaliação a grevistas, descomissionamento como forma de punição pelo ingresso de ação judicial, isolamento de empregado portador de HIV, além de desrespeito à licença-maternidade.

A condenação foi da 7ª Vara do Trabalho em Brasília e confirmada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (DF/TO), baseada após denuncias de comportamento abusivo de uma gerente do banco na capital do país.

A sentença também estipula que o BB é obrigado a constituir uma comissão especial capaz de receber, apurar, além de investigar e prevenir casos de assédio moral. O banco recorreu da decisão.

Fonte: Sindicato dos Bancários da Bahia

Superintendente do BB diz que não faltarão recursos para a agricultura baiana

Publicado em: 25/09/2019

A Deputada Estadual Jusmari Oliveira se reuniu com o Superintende Estadual do Banco do Brasil na Bahia, Amauri Aguar de Vasconelos, para tratar dos recursos para financiamento de investimentos e custeios da produção agrícola baiana e para convidá-lo a participar da audiência pública que debaterá a cadeia produtiva do leite e ele, de imediato, confirmou a participação e será um dos palestrantes do evento.

De acordo com a parlamentar, o Superintende garantiu que não faltarão recursos para investimentos e custeio para agricultura baiana, inclusive para o PRONAF que atende a agricultura familiar. Este ano o banco aprovou 60% de aumento nos recursos para as linhas de crédito do setor agrícola e a novidade é que foram criados mecanismos de liberação de recursos com muito mais rapidez para agilizar a produção no campo.

Uma das prioridades é a cadeia do leite devido a demanda do consumo. A Bahia é 0 25º produtor de leito do Brasil e mesmo assim, a produção não atende ao mercado consumidor interno, por esta razão o banco aposta em expansão nos investimentos neste setor. “A notícia que trago é alvissareira para a agricultura da Bahia como um todo e, especialmente, para a cadeia produtiva do leite. Este é um setor que cresce e precisa dos agentes financeiros para dinamizar ainda mais a sua produção. São estes e outros aspectos que vamos debater durante a audiência pública sobre a cadeia do leite que realizaremos dia 24, as 9 horas da manhã, na Assembleia Legislativa da Bahia”, finalizou a deputada.

Fonte: Mais Oeste

Banco do Brasil inaugura correspondente bancário em Malhada, na Bahia

Publicado em: 11/09/2019

O Banco do Brasil inaugurou na manhã desta terça-feira (10), na cidade de Malhada, no Sudoeste da Bahia, o correspondente bancário da Rede Mais Você, localizado na Rua São Francisco, no centro da cidade.

Conforme informação da superintendência do Banco do Brasil, o correspondente irá atender os moradores da cidade, que até então precisava se deslocar até Carinhanha, para receber atendimento. Na unidade o cidadão poderá realizar transações como autenticação de documentos, saque, depósito e outros serviços de caixa. Na parte negocial, atua com abertura de conta, consórcio, empréstimo e demais negócios.

A expectativa é que a população da cidade, estimada em mais de 17 mil habitantes, seja totalmente atendida pelos serviços bancários disponibilizados, com funcionamento de segunda a sexta, das 07 às 15h.

A cerimônia de inauguração contou com a presença de representantes do BB, comandante da 3ª CIA, Leônidas da Silva Prates de Melo (Prates), e demais autoridades locais.

A instituição bancaria está fechada há quase dois anos, desde que criminosos fortemente armados explodiram o prédio e levaram o cofre. Os serviços para reformar o prédio da agência foram autorizados pela Superintendência Estadual do Banco do Brasil, na sexta-feira (06).

Histórico de assaltos na agência

A primeira vez que criminosos estouraram o cofre da agência do banco do Brasil foi em 1992. Em 2007, criminosos armados com fuzis e escopetas explodiram o cofre. Em 2013, durante outro ataque, um bandido morreu e outro foi preso. Ainda em 2013, dois homens invadiram o banco e levaram um malote. O último ataque ocorreu em 2017.

Fonte: Folha do Vale

28 agências do BB serão transformadas em Postos de Atendimento na Bahia

Publicado em: 31/07/2019

O Banco do Brasil anunciou nesta semana um conjunto de medidas que busca reforçar a a sua competitividade e adequar a capacidade de atendimento às necessidades de cada praça, privilegiando a experiência do cliente, transformando 333 agências em Postos de Atendimento e outras 49 em agências. Entre outras ações, funcionários localizados em dependências com excesso no quadro podem aderir a um plano de desligamento incentivado até 14 de agosto.

Na Bahia, 28 agências serão atingidas pela reformulação ao longo do segundo semestre deste ano. Segundo o Banco do Brasil, “o dimensionamento da estrutura foi feito de acordo com a necessidade observada em cada ponto, considerando aspectos como tipo de demanda, localização do ponto e dias de pico, não alterando em nada o atendimento ao cliente.”

Veja as cidades que terão agências transformadas em PA

Ponto Novo; Uruçuca; Sobradinho; Tanque Novo; Barra do Choca; Alcobaça; Brejões; Cachoeira; Coronel João Sá; Iuiú; Tremedal; Mirangaba; Malhada; Laje; Jussara; Jitaúna; Jaguarari; Itapé; Itagi; Ibirapuã; Ibirapitanga; Guaratinga; Central; Buerarema; Boa Vista do Tupim; Jacaraci; Ibicuí; Água Fria.

No entanto o Banco não informa se cada cidade tem mais de uma agência.

Outras ações do programa de reestruturação do banco:

– Criação de 42 novas agências especializados no atendimento a empresas, até outubro, que preveem a especialização de atendimento em carteira varejo, sem mudança física.

– Criação da Unidade Inteligência Analítica, que surge com a missão de centralizar o acompanhamento das evoluções, inovações e desenvolvimento de técnicas, ferramentas e soluções com uso de Inteligência Analítica e de Inteligência Artificial.

Fonte: Portal do Cerrado

Terceira onda de reestruturação no BB em agências da Bahia

Publicado em: 13/06/2019

A gestão do Banco do Brasil anunciou na semana passada, em seus canais internos, a terceira onda de reestruturação, sem nenhuma consulta prévia com seus funcionários. Segundo o anúncio feito pelo banco, nenhuma agência da base do Sindicato dos Bancários de Vitória da Conquista e Região será atingida. Na Bahia, as cidades de Salvador e Feira de Santana fazem parte das mudanças do plano.

No projeto apresentado, a função de Assistente será extinta na rede Varejo e novas vagas serão criadas na rede de Negócios Especializados – os escritórios do modelo digital do banco. Ao mesmo tempo, os escriturários que atuam nestes escritórios serão remanejados para as agências.

A decisão, que mexe profundamente com a vida dos trabalhadores envolvidos, foi tomada de forma unilateral, sem nenhum diálogo com as entidades representativas dos trabalhadores. “Sem muita informação, a medida foi anunciada como uma troca entre escritórios e agências, e os funcionários envolvidos na movimentação foram apenas informados da nova localização de trabalho. Seja como for o processo, o fato é que se faz mais uma mudança brusca, sem qualquer diálogo, desconsiderando os impactos que irão causar na vida dos trabalhadores e trabalhadoras”, destaca Larissa Couto, vice-presidente do SEEB/VCR.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Conquista e Região

Bancos aumentam lucros e reduzem empregos e salários, revela dados do Caged

Publicado em: 13/03/2019

O setor mais lucrativo da economia brasileira não tem dado um retorno justo à sociedade. Em um cenário de crise, com mais de 12,2 milhões de pessoas desempregadas, o setor bancário, que lucrou mais de R$ 70 bilhões em 2018, criou apenas 6 postos de trabalho em janeiro de 2019. Os dados são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

Em contrapartida, a carteira de clientes cresce aceleradamente. A média por empregado no Itaú, Banco do Brasil, Bradesco e Santander saltou de 820 em 2017 para 847 no ano passado, aumento 3,3%.

O presidente do Sindicato dos Bancários da Bahia, Augusto Vasconcelos, denuncia, “enquanto os bancos enchem os cofres, o bancário trabalha cada vez mais sobrecarregado e o cliente sofre com as dificuldades no atendimento”.

Os dados mostram ainda que as demissões se concentram nos cargos com salários mais elevados. Já os contratados têm remuneração rebaixada. Para se ter ideia, em janeiro, o salário médio dos admitidos foi de R$ 4.938,00 enquanto o dos demitidos equivalia a R$ 6.318,00. Redução de 22%.

A desigualdade de gênero também persiste e sem justificativa. A média da remuneração das mulheres contratadas foi de R$ 4.428,00. O valor representa 17% a menos do que os homens admitidos, de R$ 5.347,00.

Fonte: Sindicato dos Bancários da Bahia

BB faz empréstimo de R$ 30 milhões e cede prédio à Prefeitura de Feira

Publicado em: 17/01/2019

A prefeitura de Feira de Santana e o Banco do Brasil firmaram na manhã desta quinta-feira (10) uma parceria, com assinatura de protocolo, em que a instituição financeira cede sem ônus um prédio para uso de uma secretaria. Também foi aprovado um empréstimo no valor de R$ 30 milhões, que deverá ser utilizado para a compra de maquinário moderno para a realização de obras e serviços pela prefeitura.

Feira

De acordo com o prefeito Colbert Martins, o prédio a ser utilizado pela prefeitura fica na Rua de Aurora, onde funcionou por muitos anos o INSS. O local possui dois andares, sendo que o andar de cima ainda é do Banco do Brasil, e o andar de baixo o banco está cedendo.

“Nós deveremos levar uma secretaria, que não definimos ainda qual será, mas durante essa semana vamos fazer e nós temos que agradecer ao Banco do Brasil, que nos cede esse imóvel sem cobrança, absolutamente nenhuma, o que para nós é uma grande ajuda e permite que a gente se desfaça de um dos aluguéis que já mantemos”, informou o gestor municipal.

Conforme o prefeito, a cessão do prédio é por tempo indeterminado. Além disso, o banco também irá prestar assessoria à prefeitura sobre a questão da Previdência.

“É uma contrapartida que o Banco nos dá, eles não estavam usando aquela área e agora a Prefeitura de Feira passa a usar. Nós pretendemos colocar uma secretaria pelo menos. Vamos definir exatamente qual vai ser. De qualquer forma, a Rua de Aurora volta a ter neste momento uma repartição pública importante do Centro Comercial Popular, perto do Centro de Abastecimento”, afirmou.

Empréstimo de R$ 30 milhões

A respeito do empréstimo de R$ 30 milhões que a prefeitura vai tomar junto ao banco, o prefeito Colbert Martins explicou que o convênio está pronto e agora será feita a compra dos equipamentos.

“Vão ser compradas máquinas, patróis, carregadeiras, caçambas, mas também tem algo vinculado com inovação, questão de servidores. Nós temos algumas coisas que precisam ser feitas, agora a pressa é nossa. O que o Banco está aqui nos cobrando é que venhamos dar as especificações para que se possa fazer a licitação e a compra desses equipamentos.”

Assessoria

Em entrevista ao Acorda Cidade, o superintendente do Banco do Brasil do estado da Bahia, Amaury Aguiar Vasconcelos, falou sobre a questão da previdência no município e a assessoria que será prestada pelo banco.

“A gestão da previdência é um tema que está em evidência em todas as mídias nacionais e é um problema que a gente não pode protelar, pois diz respeito a todos os servidores municipais. Então a gestão eficiente dos recursos previdenciários diz respeito a saúde financeira dos servidores quando forem usufruir de sua merecida aposentadoria. Por último temos ainda a gestão da frota dos mecanismos automatizados de cartão e a cobrança da dívida ativa vai permitir ao contribuinte da prefeitura de Feira regularizar suas dívidas através de uma cobrança administrativa e negociada sem a necessidade de recorrer às vias judiciais”, adiantou.

O superintendente disse ainda que a parceria vai permitir aos servidores públicos municipais realizar empréstimos junto ao Banco do Brasil de forma mais facilitada.

“O que a gente vai fazer é possibilitar que os servidores da prefeitura de Feira de Santana também possam fazer uso do banco no que diz respeito a contratação de crédito consignado, por exemplo. Nós vamos formatar uma proposta de minimizar o custo desses empréstimos para esses servidores da prefeitura. A migração da folha de pagamento não está sendo discutida nesse momento com a prefeitura”, esclareceu.

Amaury Aguiar salientou também que a reativação da superintendência regional do Banco do Brasil em Feira de Santana, que foi extinta ano passado, oferece uma maior eficiência e maior agilidade nas demandas.

“Então o ganho que isso traz é muito percebido. O papel do Banco do Brasil no estado da Bahia é fomentar o desenvolvimento econômico de onde ele está. Ele tem sido presente desde sua fundação em todas as comunidades onde se encontra para desenvolver a agricultura, o comércio, o micro e pequeno empreendedor, facilitar os servidores municipais, estaduais e federais”, ressaltou o superintendente do BB na Bahia.

Com informações e fotos do repórter Paulo José do Acorda Cidade.

Fonte: Portal Acorda Cidade

Secretária de sindicato busca sensibilizar autoridades para BB reabrir agências

Publicado em: 11/07/2018

Cidades como São Felipe, Ipirá, Correntina, Jeremoabo e Amélia Rodrigues têm algo em comum. As agências do Banco do Brasil (BB) – explodidas por quadrilhas de roubo a banco – deixaram de trabalhar com dinheiro. O fato gera caos e empobrece o município, como afirmou ao Bahia Notícias a secretária-geral do Sindicato dos Bancários da Bahia, Jussara Barbosa. “Não tendo dinheiro circulando, a cidade entra em declínio. Se eu saio de minha cidade para sacar dinheiro em outra, eu aproveito e passo no mercado, na farmácia, na lojinha e compro mercadoria nessa outra cidade”, argumenta. Segundo ela, mesmo com os lucros sempre crescentes dos bancos, em particular do Banco do Brasil, não há uma preocupação em reabrir as agências. Para ela, só uma mobilização geral dos moradores, o que inclui a classe política, pode fazer com que os estabelecimentos voltem a funcionar normalmente. “A população tem que acionar todo mundo. Mexer com a prefeitura, com a Câmara de Vereadores, deputados estaduais e, principalmente, os deputados federais, que estão em Brasília”, disse.

Confira abaixo a íntegra da entrevista:

O que o Banco do Brasil diz em relação à volta dos serviços para as cidades onde agências foram atacadas explodidas?
Desde julho do ano passado, o Banco do Brasil diz o seguinte: quando há um sinistro, ou seja, uma explosão, o banco, através de um grupo de técnicos em Brasília, uma equipe que engloba a parte de segurança, dá um prazo de 60 a 90 dias para dizer como vai atuar naquela unidade. Se vai reformar a agência, se vai voltar a trabalhar normalmente, se vai atuar sem uso de dinheiro, ou se a agência vai ser fechada. A questão de São Felipe [no Recôncavo] mesmo, o banco exigia assim: “qual a segurança que vamos ter para reabrir a agência? O que a cidade tem feito em termos de segurança?”.

Mas não seria o Estado que deveria responder pela segurança? As polícias são do Estado.
Os municípios também devem responder. Só que os municípios são contingenciados, tem menos verba. Tem algumas cidades que o Batalhão da Polícia tem quatro, cinco policiais. E aí o banco fala: “eu vou abrir agência para ser explodida?”.

Os bancos não deveriam investir também na segurança das próprias agências?
Os bancos investem, mas, infelizmente, apenas em segurança tecnológica. Eles investem em tecnologia para que o hacker não entre em sua conta. Porque aí, o prejuízo é do próprio banco. Mas em termos de segurança física, não. Se espera que os municípios, e o Estado, façam essa parte.

E os grandes lucros dos bancos, não serviriam para a segurança das próprias agências?
Com certeza. Um exemplo é que existem maquinários, terminais de autoatendimento, que quando ocorre a explosão, automaticamente o dinheiro é incinerado. Isso seria um excelente investimento. Porque o ladrão iria se arriscar mais para fazer isso.

Isso é aplicado aqui na Bahia?
Muito pouco. Existe em poucas máquinas que mancham o dinheiro quando ocorre a explosão. A máquina joga uma tinta e o dinheiro fica todo manchado. Mas os meliantes já arranjaram uma forma de solvente que tira a tinta das cédulas. No entanto, já há maquinário que quando explode dispara um gás muito forte, como uma neblina muito densa, capaz de não se enxergar nada a um palmo do nariz. Isso ajuda, mas esse gás se dissipa com o tempo. Então, só poderia ser usado se a gente tivesse um contingente policial capaz de chegar a tempo de abordar esses criminosos.

Qual o lucro do Banco do Brasil nestes últimos meses?
O lucro sempre aumenta. O Banco do Brasil teve lucro de R$ 2,75 bilhões no primeiro trimestre deste ano, uma alta de 12,5%, resultado do aumento das receitas [o que entra no banco] com tarifas e redução das despesas de provisão. Uma alta lucratividade, mas que na verdade não foi tão alta assim. Porque o banco dispensou, aposentou, um número muito grande de funcionários. A folha salarial desonerou também o banco. Houve uma diminuição de cargos, de função, de pessoal, e cada vez mais tem menos gente nas agências do Banco do Brasil. É uma tristeza ver o Banco do Brasil dessa forma, em uma diminuição brutal de funcionários e o banco ainda diz que nos próximos anos a meta é reduzir pela metade os funcionários.

Como fica a questão das cidades que estão sem serviços bancários após as explosões?
A gente vai até a direção do banco, conversa, e eles dizem, muitas vezes, que a instrução é não reabrir a agência. Eles consideram fazer a agência funcionar, mas sem dinheiro, o que significa que a agência estará ali para fazer negócio, empréstimo, seguro. A questão é que não tendo dinheiro circulando, a cidade entra em declínio. Se eu saio de minha cidade para sacar dinheiro em outra cidade, eu aproveito e passo no mercado, na farmácia, na lojinha e compro mercadoria. Além disso, eu me arrisco nas estradas. Tem também o risco de ser assaltado, porque os assaltantes ficam de olho em quem se desloca para sacar dinheiro.

Há exemplos de cidades que estão se movimentando para retomar os serviços bancários?
Em São Felipe se fez todo o protocolo que o banco pediu. A cidade aumentou o número de policiais, aumentou as rondas, a cidade está com mais vigilância, câmeras foram instaladas pela cidade, mas o banco ainda não voltou a trabalhar com numerário [dinheiro]. A cidade está bem organizada. Conseguiram apoio de vereadores, comerciários, representantes do comércio, representante da zona rural, igreja. Estiveram aqui na superintendência do Banco do Brasil, em Salvador, e mostraram disposição de ir até Brasília. É uma cidade que está extremamente organizada para a reabertura da agência.

Os moradores de São Felipe estão sem agência deste quando?
Na verdade, ocorreram duas explosões lá, a última em 2016. De lá para cá, a agência só trabalha com negócios, sem serviços com dinheiro. Só o Bradesco da cidade funciona. Mas isso, volto a dizer, traz muito prejuízo. Porque precisa circular dinheiro para ir na banquinha comprar tomate. Precisa de dinheiro para comprar uma água mineral. Ah, mas tem gente que diz: “e não pode comprar com o cartão de débito?”. Mas o agricultor na feirinha vai vender como? Ele, muitas vezes, não tem máquina de cartão.

Os ataques a banco na Bahia são diferentes do que ocorre em outros estados?
Olha, esse tipo de assalto, com explosões, de destruição das agências, é um modo próprio da Bahia. Outro dia teve um caso em Mato Grosso do Sul com características muita parecidas com o que se vê aqui, e quando se descobriu, os assaltantes eram baianos. E na Bahia, o Banco do Brasil é o mais prejudicado. Tem agência desde o sul ao norte do estado. É o que é mais presente no interior.

Por ainda ter a União como principal acionista, o Banco do Brasil não tem uma função social de servir à população, mas até do que obter lucro?
Olha, a União tem um pouco mais de ação em relação aos outros acionistas. Mas está quase meio a meio. Pouco mais de 50,1% é da União e 49,9% é privado. Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste antes eram bancos públicos com missão social, agora são bancos de economia mista com visão social. Está cada dia mais saindo do social, se eximindo dessa responsabilidade de atender o mais carente, de puxar a taxa de juros mais para baixo. O governo que nós estamos vivendo tem uma visão de privatização. Para ele, tudo que é público deve ser privatizado. O Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, mesmo, subiram vertiginosamente as taxas de juros, equiparando às taxas cobradas pelo Bradesco e pelo Itaú.

Na sua visão o que deve ser feito pelas cidades que estão afetadas pela falta dos bancos?
Primeiro, tem que haver uma mobilização da sociedade. O banco tem um programa de gestão de segurança que é disponibilizado para conhecimento da comunidade. Mas a população tem que acionar a rede política. Mexer com a prefeitura, com a Câmara de Vereadores, deputados estaduais e, principalmente, os deputados federais, que estão em Brasília. Tem que mobilizar também comerciantes, agricultores, ou seja, todo mundo, para que, falando no mesmo idioma, se cobre a abertura dessas agências. As pessoas precisam mostrar o quanto de prejuízo essas cidades estão tendo. Elas podem vir até a superintendência do Banco do Brasil aqui em Salvador e conversar. Não somos nós que vamos decidir pela reabertura, mas podemos fazer a ponte entre a sociedade civil e a direção do banco.

Fonte: Bahia Notícias

Senadora quer explicação do presidente do BB sobre bloqueio de verba destinada à Bahia

Publicado em: 17/08/2017

O estado da Bahia aguarda a liberação pelo Banco do Brasil de créditos de R$ 600 milhões. Aprovados pelo Senado no primeiro semestre deste ano e com o parecer favorável de três órgãos públicos, os contratos preveem investimentos em obras como educação e infraestrutura. A demora na liberação dos recursos levou os senadores da Bahia a requisitarem uma audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) para que o presidente do Banco do Brasil, Paulo Rogério Caffarelli, apresente as explicações sobre o caso. O jornalista Adriano Faria conversou sobre o assunto com a senadora Lídice da Mata (PSB–BA). Ouça a entrevista ao Programa Conexão Senado, da Rádio Senado.

Fonte: Agência Senado