BB Consórcios cresce 30% em 2021 e chega a R$ 69.1 bilhões administrados

Publicado em: 01/04/2022

O lucro da BB Consórcios cresceu mais de 30% em 2021, registrando um resultado recorrente de R$ 879 milhões frente aos R$ 675 milhões registrados em 2020. A administradora de consórcios – subsidiária integral do Banco do Brasil – encerrou o ano com mais de 1,344 milhão de cotas ativas no setor, representando crescimento de 20,54% de acordo com o ranking geral de mercado. Destaque para o crescimento de 20,35% na base de clientes, que teve mais de 140 mil novos entrantes e alcançou a maior prospecção já registrada pela administradora: mais de 856 mil cotistas.

A BB Consórcios é uma administradora atuante em todos os segmentos e, no quarto trimestre de 2021, atingiu o maior volume de carteira administrada por trimestre de toda sua história, com incremento de mais de 45% em relação ao 4T20, alcançando o total de R$ 69,19 bilhões administrados.

Com resultados históricos como o crescimento na base de clientes, aumento na participação de mercado, recordes em volumes de carteira administrada, expansão do número de cotas ativas e lucro expressivo, o Consórcio BB fecha o ano de 2021 como o melhor ano da sua história.

Para o diretor-presidente da BB Consórcios, Marcel Kitamura, uma das maiores vantagens do Consórcio BB frente à concorrência é ter a rede BB como sua principal força de vendas na prestação de atendimento personalizado de qualidade, com foco no cliente, com dedicação e empenho, contribuindo na realização de sonhos e projetos dos clientes. “Com o objetivo de proporcionar uma experiência de compra cada vez melhor aos clientes, sejam eles correntistas BB ou não, a estratégia da administradora visa firmar ainda mais parcerias, inclusive as digitais, para ampliar os meios de oferta. Essa proposta de diversidade de canais demonstra o alinhamento da administradora com as novas tendências do mercado, agrega resultado ao conglomerado BB e gera valor para os clientes”, afirma o executivo, que atuava como ouvidor externo do BB até o mês passado. Kitamura assume a vaga antes ocupada por Rodrigo Vasconcelos, que passa a ser gerente geral da Unidade Inteligência Analítica, que estava vaga.

Há 35 anos no BB, Marcel tem experiência em áreas de clientes e estratégias de varejo, e atuou em diversas áreas ao longo de sua carreira. Liderou a gerência de estratégias de venda varejo da Diretoria de Micro e Pequenas Empresas, e foi responsável pela segurança de ambiente externo e pela gerência de perdas operacionais e fraudes internas na Unidade de Risco Operacional. Também atuou na Diretoria de Segurança e na Vice-presidência de Riscos.

Recentemente, esteve à frente da Ouvidoria Externa do BB, área gestora das reclamações de clientes em última instância, análises e recomendações de melhorias dos produtos e processos, e relacionamento com reguladores e órgãos de defesa do consumidor. Bacharel em administração de empresas, possui pós-graduação em gestão empresarial, MBA em gestão de pessoas e RH, curso preparatório para executivos BB pela Insper SP e Columbia University, e MBA em gestão estratégica de relacionamento com o Cliente pela FIA-USP.

Fonte: Banco do Brasil

 

BB comemora recordes em venda de consórcio em 2018

Publicado em: 23/01/2019

O braço de consórcios do Banco do Brasil celebra os resultados de 2018. Após registra recordes de vendas mês a mês, fechou o ano com um recorde: crescimento de 32% no volume de vendas.

Foram R$ 11,3 bilhões vendidos em 2018, sendo que em 2017 esse volume alcançou R$ 8,6 bi. Com isso, a receita de prestação de serviços chegou a quase R$ 1 bilhão, num crescimento de 30%, atingindo R$ 942,1 milhões em 2018.

Quando observada a quantidade de cotas vendidas, o crescimento foi de 40% em 2018 sobre 2017 – 304,2 mil no ano passado contra 217 mil no anterior.

Canais alternativos

De acordo com o diretor comercial da BB Consórcios, Paulo Ivan Rabelo, os resultados só foram possíveis diante do comprometimento e entrega de resultados pela Rede BB, aliados ao movimento de vendas de consórcios em canais alternativos, como o App BB.

“O foco estratégico e aproveitamento de oportunidade de vendas pela Rede BB proporcionou o crescimento observado nos indicadores de 2018. O consórcio é um produto que traz atributos atuais de educação financeira e de economia compartilhada, características que apresentam o consórcio como opção financeira para planejamento de compras e realização de negócios em diversos segmentos”, diz Paulo Ivan.

Fonte: Destak Jornal

R$ 7 bilhões: vendas de consórcios atingem recorde histórico no BB

Publicado em: 27/09/2018

O BB atingiu patamar histórico com a venda de mais de R$ 7 bilhões durante os primeiros oito meses do ano de 2018. O volume representa 81% de todo o montante negociado pela modalidade durante todo o ano passado – com crescimento de 21% sobre o mesmo período de 2017 e de 26% na comparação com mesmo período de 2016. O BB havia fechado o primeiro semestre de 2018 com R$ 5 bilhões em vendas. Ou seja, nos dois primeiros meses do segundo semestre deste ano, já foram vendidos mais R$ 2 bilhões.

O tripé que permitiu este crescimento no Banco foi:
i. o foco estratégico e aproveitamento de oportunidade de vendas, observando comportamento de clientes na busca por planejamento financeiros que o produto consórcio oferece;
ii. vendas em novos canais alternativos (como aplicativo para celular, por exemplo)
iii. e atração de novos públicos a partir de reformulação e desenvolvimento de novos produtos para segmentos específicos, como clientes alta renda ou produtores rurais.

Inovação no DNA de consórcios do BB

Este patamar é recorde histórico absoluto na BB Consórcios, desde a criação desta alternativa financeiro na década de 1960, por funcionários do próprio Banco do Brasil. De acordo com a Abac www.abac.org.br/o-consorcio/historia, associação do setor, com a instalação da indústria automobilística no país e sem oferta de crédito direto ao consumidor na época, funcionários do Banco tiveram a ideia de formar um grupo para constituir fundo para aquisição de carros. “O consórcio reforça o posicionamento histórico de inovação do Banco do Brasil. Quando se fala em inovação, muito se imagina sobre ‘acompanhar o mundo em transformação’. Mas, historicamente, assumimos outro papel, o de protagonistas, com o BB como agente ativo da transformação do mundo. Esse é um diferencial importante em um ambiente de concorrência acirrada”, afirma Paulo Ivan Rabelo, diretor comercial da BB Consórcios.

Ele ressalta que a inovação é constante neste segmento e que o BB é o único banco no país a oferecer a opção de comercialização de consórcios via App, cujas vendas já superam a marca de R$ 1,4 bilhão desde o lançamento, em maio do ano passado. Paulo Ivan atribui o sucesso de consórcios do BB a outras características: “é um produto que ainda traz atributos bastante atuais de educação financeira e de economia compartilhada, importantes para apresentação do consórcio como opção financeira para planejamento de compras e realização de desejos, seja um bem móvel, imóvel ou serviços, como uma viagem, por exemplo”, explica.

Grandes números

Entre os produtos preferidos dos consorciados, estão as cotas para a aquisição de automóveis. Os grupos para veículos responderam por R$ 4,1 bilhões de todo o volume faturado no período. Os imóveis aparecem em 2º lugar, com R$ 1,4 bilhão, seguidos pelo segmento de motocicletas (R$ 1,2 bilhão).

Relação das principais vendas de consórcios em 2018:

– Automóveis: R$ 4,1 bilhões
– Imóveis: R$ 1,4 bilhão
– Moto: R$ 1,2 bilhão
– Trator e Caminhão: R$ 307 milhões
– Serviços: R$ 108 milhões
– Outros Bens Móveis: R$ 45 milhões

Fonte: Banco do Brasil

BB bate recorde histórico de venda de consórcios

Publicado em: 03/08/2017

O resultado geral de vendas de consórcios pelo Banco do Brasil bateu recorde histórico. Foram mais de 100 mil cotas vendidas em todas as categorias e canais disponíveis, totalizando R$ 4 bilhões em volume comercializado. Como comparação, no primeiro semestre de 2016, tinham sido vendidas 56 mil cotas, resultando em R$ 2,1 bilhões em vendas. Ou seja, houve um crescimento de aproximadamente 90% nas vendas desta alternativa financeira pelo BB. Os R$ 4 bilhões vendidos em seis meses representam 60% de todas as vendas de consórcios de 2016 inteiro no Banco.

O tripé que permitiu este crescimento no Banco foi:
i. o foco estratégico e aproveitamento de oportunidade de vendas, observando comportamento de clientes na busca por planejamento financeiros que o produto consórcio oferece

ii. vendas em novos canais alternativos (no período, foram R$ 62,3 milhões vendidos pela internet, R$ 422 milhões em parceiros de vendas, como o Banco Postal, e R$ 43,4 milhões via aplicativo para celular – este, em apenas um mês e meio de funcionamento, já que a funcionalidade foi lançada no final de maio deste ano)

iii. e atração de novos públicos a partir de reformulação e desenvolvimento de novos produtos para segmentos específicos, como clientes alta renda ou produtores ruais.

As principais vendas de consórcios no período de janeiro a junho de 2017 foram:

Automóveis: 76 mil cotas – R$ 2,9 bilhões
Imóveis: 4 mil cotas – R$670 milhões
Trator e Caminhão: 1,4 mil cotas – R$239 milhões
Moto: 14 mil cotas – R$204 milhões
Serviços: 3,3 mil cotas – R$24 milhões
Outros Bens Móveis: 1,8 mil cotas – R$ 7,8 milhões

Fonte: Banco do Brasil

Vendas de consórcio do BB quase dobram e batem recorde no 1º semestre

Publicado em: 13/07/2017
As vendas de consórcio no Banco do Brasil bateram recorde no primeiro semestre, de acordo com dados antecipados ao Valor. O volume de cotas vendidas nos diversos segmentos de consórcio foi quase o dobro do verificado em igual período do ano passado, totalizando R$ 4,1 bilhões. De janeiro a junho de 2016, o volume vendido gerou R$ 2,1 bilhões para a BB Consórcios, a subsidiária do BB responsável pelos produtos.
As vendas de consórcios são uma das apostas do BB para o incremento em suas receitas de tarifas. De janeiro a maio, dado mais recente disponível, esse tipo de produto gerou R$ 271,4 milhões em tarifas para o BB, com alta de 39,5% sobre igual período do ano passado, mesmo ritmo verificado no primeiro trimestre, último dado de balanço. A expectativa para o ano é de R$ 640 milhões com tarifas de consórcio.
Na avaliação de Alexandre Santos, diretor-presidente da BB Consórcios, a trajetória de queda dos juros básicos não ameaça a trajetória desse segmento. Para ele, que também é presidente regional (Norte e Centro-Oeste) da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), mesmo com o custo do crédito tendendo a ser barateado com a redução da taxa básica, o consórcio ainda é um produto financeiro mais barato e compensador para quem pretende se alavancar para adquirir um bem. “O produto não deixa de ser atrativo”, afirmou.
O executivo da instituição destaca que, em meio à crise, o consórcio é um importante elemento de educação financeira, pois permite ao cliente planejar como uma poupança e ainda antecipar a aquisição de um determinado produto. Alexandre comenta que, em quatro anos, a BB consórcios triplicou seu resultado e hoje já gera um retorno sobre o patrimônio da ordem de 50%.
Além de ser um produto mais barato que o crédito, o diretor comercial da instituição, Paulo Ivan Rabelo, destaca o aspecto de fidelização do cliente que proporciona. Ele ressalta ainda que os consórcios vendidos no banco hoje têm maior flexibilidade, porque o consumidor pode alterar o destino final de uso em diversas modalidades.
Para continuar crescendo a um ritmo forte, os executivos da BB consórcios apostam nas operações em canais como o telefone celular e também em parceria no atacado e empresas, como locadoras de veículos que precisam trocar suas frotas, cujos volumes envolvidos são maiores.
Eles demonstram empolgação com a trajetória das vendas pelo canal móvel, que no primeiro semestre somaram R$ 43,4 milhões, volume ainda pequeno dado o total, mas que consideram com forte potencial de expansão neste ano.