Banco do Brasil: entenda o ‘alívio’ dos impactos negativos do agro

Publicado em: 03/05/2024

Em relatório recente, a XP destacou que o Banco do Brasil (BBAS3) tem uma parcela significativa da sua carteira de crédito vinculada ao agronegócio e, ao mesmo tempo, aumentou a preocupação dos investidores com relação à dinâmica do setor.

A visão da casa é que, de modo geral, embora as preocupações sejam justificáveis, o Banco do Brasil está relativamente bem protegido.

Segundo a XP, isso se dá graças ao “tamanho, à diversificação e à qualidade de sua carteira de agronegócios”.

“Com um portfólio diversificado, tanto em termos de culturas quanto geográficos, o risco de uma piora esperada na situação de crédito dos produtores de grãos não é relevante e pode se traduzir em uma oportunidade para o Banco do Brasil”, diz a casa.

“Em nossa opinião, as margens estão retornando aos níveis históricos, de modo que os agricultores devem retomar os investimentos assim que os estoques atuais forem vendidos e a perspectiva de demanda melhorar”, completa.

Com isso, a recomendação da casa para as ações do Banco do Brasil segue de compra, com preço-alvo de R$ 36,50. Os papéis BBAS3 negociam a cerca de R$ 27 atualmente.

Segundo a XP, o complexo de grãos brasileiro é o subsetor que mais preocupa, principalmente nas cadeias de suprimento de soja e milho.

“Nos últimos dois anos, as margens agrícolas foram reduzidas, refletindo principalmente a queda nos preços da soja e do milho, custos mais altos de insumos e frete e estratégias erráticas de venda dos agricultores em uma grande parte dos produtores brasileiros”, observa a casa.

“A tendência de queda nas margens, aliada à falta de prudência financeira de alguns produtores rurais – destacada por investimentos excessivos em maquinário, terras, insumos e outros – contribuiu para um aumento acentuado dos processos de Recuperação Judicial (RJ), especialmente em Mato Grosso, o estado com a maior produção do Brasil e o mais afetado pelas adversidades climáticas”, completa.

Fonte: Suno

BB estima R$ 3 bilhões em propostas na Agrishow 2024

Publicado em:

O Banco do Brasil espera acolher R$ 3 bilhões em propostas durante a 29ª edição da Agrishow, a maior feira de tecnologia agrícola da América Latina que acontece anualmente em Ribeirão Preto (SP). A estimativa é a maior já registrada pelo BB para uma feira agro.

O BB apoia a Agrishow desde a primeira edição, realizada em maio de 1994. Para a edição deste ano, o Banco vem realizando ações negociais há cerca de um mês, com a organização de 320 eventos pré-feira que contaram com a participação de produtores e de empresas locais.

Ao todo, cerca de 100 funcionários do Banco do Brasil estarão mobilizados para atuar no atendimento aos clientes ou junto dos estandes das revendas. Além disso, o BB contará com um amplo estande próprio, com salas de reunião, auditório, lounge, café e espaço para ativações promocionais.

“Estamos muito confiantes em gerar bons negócios em mais uma edição da Agrishow. Somos o maior parceiro do agronegócio brasileiro e, ao marcar presença há 30 anos na maior feira de tecnologia agrícola da América Latina, mostramos que sempre estivemos e sempre estaremos fazendo negócios ao lado do pequeno, do médio e do grande produtor. O Banco do Brasil segue comprometido em oferecer soluções financeiras para impulsionar o crescimento do agronegócio e da agricultura familiar, impulsionando a economia brasileira”, afirma Tarciana Medeiros, presidenta do Banco do Brasil.

“Com o empenho do nosso time, vamos estar presentes em todos os momentos junto aos produtores e produtoras rurais durante a Agrishow. Além disso, preparamos uma programação especial em nosso estande para compartilhar conhecimento e inovação. Abordaremos temas como educação financeira, cenários sobre a cana-de-açúcar e outras culturas, opções de crédito para os negócios internacionais, pecuária de precisão e rastreabilidade de carne”, acrescenta Luiz Gustavo Braz Lage, vice-presidente de Agronegócios e Agricultura Familiar.

Confira os destaques do Banco do Brasil para a Agrishow 2024:

Mulheres no Topo
Assim como nas outras feiras agro, o BB organizará um evento, com a participação da Liderança Feminina do Banco, para apresentar as principais soluções visando o empreendedorismo feminino.

Plataforma Broto
Durante a Agrishow, os consultores do Broto (plataforma digital agro do Banco do Brasil) promoverão as vantagens e comodidades oferecidas tanto aos produtores rurais quanto às empresas participantes, com o objetivo de impulsionar os negócios. Além disso, as empresas parceiras do Broto vão oferecer condições especiais durante o evento para produtos e serviços disponíveis na plataforma. O processo de envio de solicitações de financiamento rural será simplificado e digital, feito pelos produtores por meio do Simulador de Financiamento, e pelos parceiros da cadeia agropecuária por meio do Formulário Simplificado de Registro de Intenção de Negócios. Além disso, o Broto oferece a opção de pagamento de compras por meio da Cédula de Produto Rural (CPR). Para mais informações, visite broto.com.br e acompanhe o Broto nas mídias sociais.

BB Seguros
A BB Seguros e Ourocard Visa seguem com a promoção Colheita de Prêmios que realizará um sorteio de veículo Rampage 0km para os clientes que formalizarem propostas de contratação de seguros, conforme regulamento da promoção.

Loja Fundação BB
Ao longo dos cinco dias de evento, os visitantes poderão, dentre os diversos produtos disponíveis, adquirir também produtos de parceiros já apoiados em outros projetos junto a Fundação Banco do Brasil. As doações poderão ser realizadas via Pix e os recursos arrecadados serão destinados para projetos desenvolvidos no âmbito do Programa Carbono Neutro.

Rolê que Rende
Sucesso na Tecnoshow, o Banco do Brasil, em parceria com a BB Asset, realizará nova edição do evento. A iniciativa reforça a importância da gestão financeira consciente entre os jovens e universitários e está alinhado ao direcionador estratégico de conquistar e fidelizar novas gerações de clientes.

BB Consórcios e Sala VIP
Sucesso de atratividade nas demais feiras agropecuárias realizadas este ano, A BB Consórcios levará também para a Agrishow o robô que interage com o público da feira, destacando as condições diferenciadas do consórcio para os visitantes da feira e divulgando as soluções de atendimento virtual disponíveis nos canais BB.

Além disso, durante o período da feira, os consorciados do Banco do Brasil terão acesso exclusivo a Sala Vip no Aeroporto de Ribeirão Preto.

Também, durante o evento, estarão abertos grupos com condições especiais.

Fonte: Banco do Brasil

De olho no agro, BB estrutura equipe dedicada à gestão de fundos exclusivos

Publicado em: 21/03/2024

Atento aos clientes mais endinheirados, o private banking do Banco do Brasil (BBSA3) está montando uma equipe decidida à gestão de fundos exclusivos – aqueles que têm apenas um cotista. A novidade está sendo colocada em prática junto à asset do banco, que soma R$ 1,5 trilhão sob gestão.

“Vamos conseguir agregar valor, especialmente para essa fatia de cliente ultra-high, que usa produtos mais exclusivos”, contou Guilherme Rossi, head da unidade Private Bank do BB, em entrevista ao Investnews. Por uma questão de sigilo, o executivo não revelou a quantidade de fundos desenvolvidos até o momento.

O fato é que a instituição tem tentado ganhar representatividade junto ao público de alta renda. Em 2023, enquanto os ativos sob gestão do mercado de private banking cresceram 11% no país, segundo dados da Ambima, no BB o avanço foi de 23,5% – maior percentual registrado nos últimos três anos. Em 2022, a alta tinha sido de 12,55%; em 2021, de 1,4%.

O agronegócio tem sido relevante para esse desempenho. Natural: só de 2022 para 2023 a atividade agropecuária cresceu 15,1%, ante 2,9% do PIB. E a área de private do BB tem somado esforços para atender os megaprodutores rurais. Hoje, são 12 escritórios dedicados ao atendimento desse público, localizados em cidades como Sorriso (MT), Rio Verde (GO) e Barreiras (BA).

“Os megaprodutores têm uma renda bruta anual vinda da atividade agropecuária bastante elevada e relevante. Mas não estamos preocupados só com as fortunas já constituídas. Estamos junto com esses megaprodutores para a construção de novas riquezas”, disse Guilherme Rossi, head da Unidade Private Bank do BB

A estratégia é ampliar a relação com os clientes de alta renda para além da concessão de crédito – uma das grandes fortalezas do banco, que tem 60% do share do mercado de crédito no segmento private.

“Em 2023, começamos a trabalhar muito melhor as nossas sinergias internas, o que chamamos de transversalidade. Muitas vezes, grandes empresas eram atendidas pelo Banco do Brasil, mas seus sócios não tinham uma relação estreita na pessoa física”.

A personalização de produtos voltados a agentes do agronegócio também está entre as estratégias adotas pelo BB. No segundo semestre do ano passado, o banco começou a desenvolver um seguro personalizável que leva em conta o ramo de atuação do empresário, entre outras peculiaridades.

Um exemplo é o uso de geolocalização para identificar a produtividade potencial de uma fazenda para obter mais detalhes sobre o tamanho da produção e, com isso, calcular o valor do seguro.

“Muitas vezes, um seguro de prateleira [generalista] estava muito distante da realidade do cliente”, acrescenta Rossi.

No tema sucessão, o Banco do Brasil também tem uma iniciativa focada em atrair o público ultra-high. É o programa Generation, criado em 2018. A ideia ali é prestar consultoria para processos de sucessão dentro de empresas familiares – justamente as que representam boa parte do mundo agro.

Fonte: Invest News

Banco do Brasil é afetado por aumento do risco no agronegócio?

Publicado em:

Em novo relatório após encontro com gerentes de RI do Banco do Brasil (BBAS3), especialistas do Safra levantaram novas discussões sobre a tese da companhia.

Segundo a casa, dentre os temas principais estavam o aumento da percepção de risco do agronegócio e como isso pode afetar o Banco do Brasil.

“Os fluxos de notícias da mídia precisam ser cuidadosamente analisados. Na verdade, tem havido um aumento no risco do agronegócio, mas na verdade vem do nível mais baixo de inadimplência de todos os tempos devido às robustas colheitas passadas”, explica o Safra.

“Há também uma concentração significativa de empréstimos agrícolas em alguns novos veículos e players, como a Fiagros, mas o Banco do Brasil tem um forte histórico de relacionamento com clientes e diversificação geográfica e de culturas (soja, milho, algodão, etc)”, completa.

A visão do banco, nesse sentido, é de que existe um cenário claro de normalização dos créditos não performados (non-performing loan, ou NPL, na sigla em inglês) em 2024.

“Além disso, o BBAS3 não vê piora estrutural na relação cliente/credor devido a mudanças na legislação, principalmente porque os critérios de elegibilidade para acesso aos recursos do próximo plano safra vão estar em dia com todas as obrigações do empréstimo rural”, observa o Safra.

Margem financeira no radar

Outro tema que foi amplamente discutido, segundo o Safra, foram as partes móveis do crescimento da margem financeira implícitas no guidance.

“Os investidores expressaram preocupação com o aumento da receita líquida de juros para atingir o ponto médio do guidance, dados alguns obstáculos, como contribuições mais baixas da margem e das margens de depósito do Banco Patagonia, o que está alinhado com a nossa visão”, observa o Safra.

Segundo a casa, a explicação do Banco do Brasil para esse fenômeno gira em torno de três pontos:

1 – A rotatividade da carteira deve levar a maior margem líquida de juros
2 – Descasamento da leva anual positiva devido à queda da taxa Selic
3 – Os resultados do tesouro do quarto trimestre foram impactados negativamente pelo excesso de liquidez sazonalmente menor

Fonte: Suno

Veja os bancos da Bolsa mais expostos ao agronegócio

Publicado em: 14/03/2024

As notícias sobre as dificuldades enfrentadas pelo setor agrícola após um 2023 muito forte seguem no radar do mercado, com o governo brasileiro preparando um pacote de resgate para agricultores inadimplentes e empresas agrícolas que enfrentam dificuldades devido à queda dos preços de commodities, como o milho e a soja.

Com base nesse cenário, o Bradesco BBI fez um levantamento dos bancos de capital aberto que possuem as maiores exposições ao segmento de agronegócio, destacando Banco do Brasil (BBAS3), ABC Brasil (ABCB4) e Banrisul (BRSR6), com o crédito rural correspondendo a, respectivamente, 32%, 22,1% e 21,2% da carteira total.

Na sequência estão o Santander Brasil (SANB11) e Itaú (ITUB4), com respectivos 3,5% e 1,7% da carteira.

Os analistas do BBI veem uma pressão potencial sobre os índices de inadimplência rural no curto prazo dos três bancos que possuem a participação acima de 20% do crédito rural na carteira, enquanto a queda nas expectativas de safra poderia levar a um crescimento mais lento dos empréstimos rurais em 2024.

A equipe de análise do banco ainda cita outros números que mostram as dificuldades no setor, como os de pedidos de falência rural, que subiram seis vezes em 2023. Notavelmente, dados recentes da Serasa Experian mostram que houve um aumento significativo no número de pedidos de falência entre produtores rurais, atingindo 127 em 2023 (em comparação com 20 em 2022 e 13 em 2021).

Olhando no detalhe, o BBI nota que os arrendatários e as famílias representaram 44 registros (35% do total), em comparação com 35 para grandes produtores (28%), 25 para médios produtores (20%) e 23 para pequenos produtores(18%).

“Embora o número ainda seja muito pequeno comparado aos mais de 5 milhões de produtores rurais (segundo os dados do IBGE de 2017), acreditamos que o rápido ritmo de crescimento recente reflete tendências importantes na qualidade dos ativos”, avaliam os analistas.

Na visão do banco, os preços das commodities podem ser uma das razões para este aumento nos pedidos de falência, uma vez que os custos dos produtores continuam pressionados pelas taxas de juro ainda elevadas, enquanto os preços mais baixos limitam a capacidade de crescimento das receitas.

O BBI cita que o Índice Agrícola Spot da Bloomberg, que mede o movimento dos preços das commodities agrícolas, vem caindo constantemente desde maio de 2022, atualmente em 345 pontos, contra o pico de 528 em maio de 2022. Além disso, os indicadores de Milho e Soja do Cepea ilustram uma tendência semelhante, com ambas as commodities caindo cerca de 31% desde janeiro de 2022, bem como pela recente deterioração dos créditos rurais.

O índice de inadimplência para empréstimos rurais (tanto pessoas físicas quanto jurídicas) vem aumentando desde julho de 2023, o que vê refletir não apenas a normalização gradual das taxas de juros, mas também os impactos da queda dos preços das commodities.

“Todas as tendências estão correlacionadas entre si, o que poderia nos ajudar a ter uma visão mais clara de como poderia ser a evolução das carteiras de crédito daqui para frente. Notavelmente, a combinação de desafios climáticos, que impactam a produção agrícola, a queda dos preços das commodities e uma Selic ainda elevada têm pressionado a capacidade de pagamento dos produtores rurais”, avaliam.

O banco, por sua vez, espera que os preços dos grãos se recuperem a partir do 2º semestre de 2024 (2S24), trazendo alívio para os agricultores. Para eles, um declínio na produção da segunda safra de milho este ano no Brasil, além do risco de La Niña (mais de 50% de probabilidade a partir de julho deste ano) impactar negativamente as safras norte-americanas, poderia levar os preços dos grãos a se recuperarem no 2S24.

“Este cenário poderia trazer alívio para as margens dos agricultores locais, embora aqueles mais expostos à região Sul possam enfrentar potenciais secas causadas pelo La Niña. Ou seja, por um lado, ainda vemos ventos contrários pressionando o desempenho do segmento do agronegócio no curto prazo, refletindo tanto a potencial deterioração da inadimplência, quanto um maior número de pedidos de falência. Por outro lado, como esperamos recuperação dos preços dos grãos a partir do 2S24, acreditamos em um cenário mais positivo até o final do ano”, concluem.

Fonte: Infomoney

Crédito rural do BB cresce 8,4% e atinge recorde em 2023

Publicado em: 19/01/2024

O Banco do Brasil atingiu em 2023 o maior desembolso de crédito rural da história. Foram liberados R$ 195 bilhões em mais de 612 mil operações – uma evolução de 8,4% em relação ao registrado em 2022. Desse total, R$ 22 bilhões foram destinados à agricultura familiar.

O resultado recorde foi impulsionado pelas estratégias e foco de atuação da rede de agências e dos parceiros agro, além dos canais digitais de contratação, mediante oferta eficiente de crédito contando com o portfólio completo de soluções e atendimento especializado e próximo aos clientes.

Os desembolsos do Plano Safra 2023/24 também contribuíram para a cifra recorde em 2023. Nos seis primeiros meses da safra foram liberados R$ 120 bilhões, evolução de 5,3% sobre o mesmo período anterior, mesmo considerando que na atual safra os custos de produção estão, em média, 25% abaixo da safra passada.

“Os números comprovam que temos uma atuação fundamental no apoio à agricultura familiar, que exerce uma função relevante na segurança alimentar e ajuda no equilíbrio dos preços dos alimentos em todo o país”, afirma Tarciana Medeiros, presidenta do Banco do Brasil. “Continuaremos a promover soluções inovadoras e acessíveis para garantir que a agricultura prospere e contribua para a construção de um futuro sustentável.”

Já o vice-presidente de Agronegócios e Agricultura Familiar, Luiz Gustavo Braz Lage, acrescenta que “a expertise nas soluções, no relacionamento e a proximidade com o produtor e produtora rural, com a agroindústria e as cooperativas reforçam a relevância do BB para todos os agentes e segmentos da cadeia de valor do agro”.

Além do crédito, foram desenvolvidas durante o ano diversas ações no âmbito dos Circuitos de Treinamento e de Negócios Agro, que envolveram participação em 373 feiras agropecuárias, eventos/seminários e dias de campo, levando bons negócios e movimentação da economia dos municípios, além das iniciativas de capacitação (treinamentos, assistência técnica, disseminação de boas práticas e tecnologias) que alcançaram mais de 12 mil produtores e produtoras rurais de pequeno porte. Nessas ações, vale destacar a atuação das carretas agro (agências móveis) que já percorreram cerca de 200 mil quilômetros em centenas de cidades, por todas as regiões do país.

Fonte: Banco do Brasil

BB desembolsa R$ 100 bilhões na safra 23/24, recorde histórico

Publicado em: 07/12/2023

O Banco do Brasil (BBAS3), parceiro histórico do agronegócio e da agricultura familiar do país, atingiu a marca de R$ 100 bilhões em desembolso na safra 2023/2024.

O valor é recorde para os primeiros meses de um ano safra e supera em 8% o disponibilizado no mesmo período da safra anterior.

Além disso, de janeiro até hoje, o BB liberou R$ 175 bilhões em crédito rural – mais de 11% em relação ao mesmo período de 2022.

Para a presidente do BB, Tarciana Medeiros, “alcançarmos essa marca em tempo recorde é fruto do compromisso do Banco do Brasil com toda a cadeia produtiva do agronegócio, desde os pequenos agricultores, passando pelas cooperativas, até as grandes empresas agroindustriais, e reforça nosso protagonismo no agronegócio e agricultura familiar, fomentando o crédito e assegurando que os recursos cheguem de forma rápida, no momento certo do plantio e da colheita”.

“Nosso atendimento e relacionamento especializado e próximo aos clientes é o diferencial que nos torna únicos no segmento do agronegócio. Seguimos desenvolvendo soluções para fazer o agronegócio e a agricultura familiar cada vez mais sustentável e cada vez mais forte”, acrescenta Luiz Gustavo Braz Lage, vice-presidente de Agronegócios e Agricultura Familiar do BB.

Plano Safra 2023/2024 e o Banco do Brasil

Neste Plano Safra, já foram contratadas mais de 307 mil operações que alcançaram 4.901 municípios em todas as regiões do país.

Destaque para os financiamentos destinados aos agricultores familiares (Pronaf) e aos médios produtores (Pronamp) que, somados, representam 63% do total das operações. O desembolso para essas linhas atingiu R$ 22 bilhões na atual safra e R$ 34 bilhões desde janeiro.

Na atual safra, estão sendo também implementadas ações no âmbito dos Circuitos de Treinamento e de Negócios Agro, que envolvem capacitação (treinamentos, assistência técnica, disseminação de boas práticas e tecnologias) durante as feiras agropecuárias, seminários e dias de campo, que alcançaram mais de 10 mil produtores e produtoras rurais de pequeno porte.

Além disso, tais iniciativas levam bons negócios para o campo e movimentação da economia de cada município, contando com as cinco carretas agro (agências móveis) que já percorreram, em 2023, 170 mil quilômetros em centenas de cidades do país.

Fonte: Money Times

BB e Contag celebram acordo para beneficiar produtores rurais

Publicado em: 01/12/2023

O Banco do Brasil e a Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais e Agricultores e Agricultoras Familiares) celebraram nesta segunda-feira, 27, Acordo de Cooperação Técnica para a elaboração e a implementação de ações voltadas aos produtores familiares assistidos pelos sindicatos rurais e federações vinculados à Confederação. Ao todo, mais de 15 milhões de trabalhadores poderão ser beneficiados.

Por meio do Acordo, será viabilizado o compartilhamento de conhecimentos, experiências e ferramentas como forma de promover a expansão da assistência creditícia no âmbito do PRONAF-Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, estando previsto plano de trabalho para acompanhamento das iniciativas e avaliação de resultados.

O Acordo foi firmado pelo presidente da Contag, Aristides Santos, e pelo vice-presidente de Agronegócios e Agricultura Familiar do BB, Luiz Gustavo Braz Lage, durante a abertura da Assembleia Geral Ordinária da Confederação e em meio à celebração dos 60 anos da Contag.

“O Acordo está alinhado à diretriz do BB de estabelecer parcerias para reforçar e ampliar a assistência creditícia aos produtores e produtoras da agricultura familiar e a oferta de produtos e soluções para atendimentos de suas necessidades, incluindo também capacitação e disseminação de boas práticas, tecnologias e assistência técnica, contribuindo assim para a melhoria de vida e renda no campo” explica Lage.

Mais de R$ 11 bilhões para a agricultura familiar na safra 2023/24

Até a última segunda-feira (27), o Banco do Brasil havia desembolsado mais de R$ 11,7 bilhões em financiamentos para a agricultura familiar nesta safra 2023/24. Foram R$ 6,6 bilhões para as operações de custeio e R$ 5,1 bilhões para investimentos, em 159 mil contratos, representando mais da metade de todos os contratos de empréstimos do BB na safra 2023/24. Outros R$ 4,2 bilhões estão em fase de análise e contratação para desembolsos no curto prazo no âmbito do Pronaf.

Tarciana Medeiros, presidenta do BB, diz que o Banco reafirma sua capacidade em conciliar sua atuação comercial com o apoio na atuação em políticas públicas em prol do desenvolvimento social e econômico, em todas as regiões brasileiras. “Ao atuarmos com protagonismo na agricultura familiar, estamos levando recursos para famílias de brasileiras e brasileiros pretos, pardos, indígenas, quilombolas e demais pequenos produtores rurais. É uma das várias formas de atuação prática do Banco, em parceria com o governo, em prol da igualdade social e racial no Brasil.”, afirma a presidenta.

Considerando o ano de 2023 até agora, os desembolsos no Pronaf superam o volume do mesmo período do ano anterior, mesmo levando em conta que os custos de produção na atual safra apresentam redução média em torno de 25% em relação à safra anterior. Recentemente, houve um ajuste na nomenclatura da vice-presidência e da diretoria de Agronegócios para evidenciar esse foco também nos pequenos produtores. O movimento conta também com iniciativas para aprimoramento de processos e aumento do potencial de geração de negócios junto ao segmento. As unidades são chamadas agora de vice-presidência e diretoria de Agronegócios e Agricultura Familiar.

Para o Ministro do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, Paulo Teixeira, “esse convênio entre o BB e a Contag, instituições parceiras da Agricultura Familiar, certamente vai concretizar oportunidades para mudança de realidades e de vidas das pessoas do campo, ampliando e democratizando a distribuição de recursos do Pronaf, em linha com as políticas do Governo Federal, fazendo o crédito chegar também com mais tempestividade e representatividade em municípios do Norte, Nordeste e Centro do País. E é sempre bom lembrar que aproximadamente 70% dos alimentos consumidos pelos brasileiros vêm da Agricultura Familiar, que traz inúmeros benefícios sócio-econômicos e ambientais, como segurança alimentar, geração de emprego e renda, produção com diversidade de alimentos mais saudáveis, orgânicos e agroecológicos”.

A parceria com o Banco do Brasil, quando a entidade completa 60 anos, é um marco na história do Sistema Confederativo Contag, pois se trata de ampliar e fortalecer a execução do Pronaf em todos os cantos do País, por meio de nossas Federações e Sindicatos. O agricultor e agricultora familiar terão mais pontos de acesso ao crédito para melhorar sua capacidade de produzir e comercializar. O Banco do Brasil já é o maior executor do Pronaf, mas iremos a outro patamar em equilíbrio de recursos para todas as regiões, avançando em linhas geralmente pouco acessadas, como Pronaf Mulher, Jovem, Agroecologia e Pronaf Produtivo Orientado – PPO”, declarou Aristides Santos, presidente da Contag.

Fonte: Banco do Brasil

BB vai captar US$ 800 mi com consórcio de bancos para financiamento agrícola

Publicado em: 19/10/2023

O Banco do Brasil participa de uma série de reuniões com bancos internacionais, investidores, assets e órgãos multilaterais em Marrakech, neste final de semana, por ocasião das reuniões do FMI. Durante as agendas, o BB confirmou mais um negócio: o acordo para a captação de mais US$ 800 milhões com um consórcio de bancos formato por JP Morgan, Stardard Chartered, HSBC e Credit Agricole. Dentre as reuniões, o BB esteve com o MIGA, braço do Banco Mundial que, traduzindo de forma mais simples, dá garantias para o negócio e transforma uma operação para que chegue a um rating AAA.

“Isso reduz o custo de captação geral, tornando os preços mais competitivos no mercado”, explica o vice-presidente de Negócios de Atacado do BB, Francisco Lassalvia. Os recursos serão destinados a financiar operações agrícolas no Brasil para plantio direto, com prazo de 10 anos.

Fonte: Banco do Brasil

Banco do Brasil: sustentabilidade ganha força no agronegócio

Publicado em: 11/10/2023

Segundo o estudo Global Farmer Insights 2022, conduzido pela consultoria norte-americana McKinsey, o Brasil está na vanguarda da adoção de práticas sustentáveis no campo. A pesquisa, que entrevistou mais de 5 mil agricultores da Europa, Ásia, América do Norte e América do Sul, procurou entender melhor seus comportamentos em relação a tópicos-chave que moldam o futuro da agricultura. E os números mostram que nenhum outro país se aproxima do Brasil em relação ao uso de produtos biológicos para controle de pragas e doenças, crescimento das plantas e fertilização dos solos.

Um exemplo é o uso de produtos biológicos na produção agropecuária. Enquanto no Brasil 55% dos produtores rurais já adotam produtos biológicos para proteger suas lavouras, na União Europeia são apenas 23%, na China 8%, nos Estados Unidos 6%, no Canadá 5%, na Argentina 4% e na Índia apenas 3%.Sim, as práticas sustentáveis já fazem parte do dia a dia das lavouras brasileiras, e o , maior parceiro do agronegócio brasileiro, também está fazendo a sua parte.

A sustentabilidade está incorporada nas mais diversas estratégias do BB, que tem por premissa a integração da geração de valor econômico à transparência, à governança corporativa e à responsabilidade socioambiental.

Agenda ESG no Banco do Brasil

O BB reforça sua capacidade de desenvolver e ofertar produtos e serviços voltados para uma economia de baixo carbono e inclusiva, que possam agregar cada vez mais qualidade e inovação ao atendimento de clientes e promover menor impacto social e ambiental. Também fortalece sua governança corporativa, gestão da ética e a transparência, o capital humano, além de valorizar a diversidade e aprimorar as práticas ambientais e de ecoeficiência, assegurando o uso eficiente e sustentável dos recursos naturais.

O compromisso de desenvolver soluções negociais com aspectos sociais, ambientais e climáticos é orientado e declarado na Política de Responsabilidade Social, Ambiental e Climática (PRSAC) do banco. Tem suporte, ainda, nas Diretrizes de Sustentabilidade BB para o Crédito, que estão em sinergia com os compromissos internacionais assumidos pelo Governo Federal, entre eles os relacionados à mitigação e à adaptação aos efeitos das mudanças climáticas.

Com destaque nacional no desenvolvimento de soluções financeiras e modelos de negócios que promovam a transição para uma economia sustentável e inclusiva, o BB considera as mudanças climáticas no planejamento e aproveita oportunidades de negócios para uma economia de baixo carbono.

O Banco do Brasil é, pela quarta vez, o banco mais sustentável do planeta segundo o ranking das 100 Corporações Mais Sustentáveis do Mundo 2023 – Global 100, da Corporate Knights. Em 2023, além da posição de liderança entre os bancos, o BB é a única empresa brasileira classificada, figurando na 15ª posição entre as empresas em geral.

Sustentabilidade no agro

Em linha com os compromissos de longo prazo do banco e com o objetivo de auxiliar os clientes na transição para uma economia mais sustentável, ao final de junho de 2023 o BB atingiu a marca de R$ 321,6 bilhões em operações de crédito sustentáveis, um crescimento de 10% em 12 meses, sendo R$ 141,4 bilhões relativos a negócios sustentáveis agro.

O Plano Safra 2023/2024 será o maior da história, com R$ 240 bilhões disponibilizados pelo Banco do Brasil, volume 26% superior ao da safra passada, reforçando seu papel de maior parceiro do agronegócio brasileiro.

Serão destinados R$ 121 bilhões para o custeio, R$ 42 bilhões para operações de investimento, R$ 24 bilhões para comercialização e industrialização, enquanto títulos, crédito agroindustrial e giro terão R$ 53 bilhões, reforçando a atuação do BB em toda a cadeia de valor do agronegócio. Segundo o Diretor de Agronegócios do Banco do Brasil, Jayme Pinto Junior, “o BB amplia o apoio ao agronegócio destinando também recursos próprios, que possibilitam aos produtores rurais reforçar o financiamento de investimentos em recuperação de áreas degradadas, ampliação de estruturas de armazenagem e de áreas irrigadas, impulsionando assim a transição para uma agricultura ainda mais sustentável, fomentando assim a mudança de nossa matriz energética”.

Para acessar as linhas de crédito, os requisitos variam de acordo com o público-alvo e a finalidade do crédito. É importante que os produtores rurais mantenham seus cadastros atualizados junto ao Banco do Brasil e consultem seus gerentes para obter orientações. No caso dos agricultores familiares, é indispensável a apresentação do CAF vigente.

O BB disponibiliza aos produtores rurais múltiplos canais para que eles possam apresentar suas propostas de crédito rural. Através do APP BB os produtores rurais podem apresentar sua necessidade de crédito de forma digital e agilizar a contratação. Além disso, o BB conta com uma grande rede de agentes de crédito rural que estão aptos a receber as propostas dos produtores.

Fonte: CNN Brasil

Agraer fortalece vínculo e estabelece parcerias com o BB em prol dos agricultores

Publicado em: 28/09/2023


O diretor-presidente da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), Washington Willeman, o diretor executivo Beto Carvalho, a gerente de desenvolvimento agrário Izabel Cristina Pereira e as gestoras de desenvolvimento rural Aldione Soares e Rose Borges se reuniram nesta quarta-feira, 27 de setembro, com o superintendente de varejo do Banco do Brasil Omar de Vasconcelos, o gerente Sérgio Malheiros, o gerente de mercado Breno dos Reis para estabelecer parcerias com o banco em prol dos agricultores familiares de Mato Grosso do Sul.

De acordo com o diretor executivo da Agraer, desde antes do lançamento do Plano Safra 2023-2024 a Agraer tem buscado novas estratégias junto ao banco para fomentar e a agilizar a aprovação de projetos de crédito para o setor. O Banco do Brasil lidera a lista das 250 maiores instituições financeiras da América Latina e é o maior parceiro do Programa Nacional da Agricultura Familiar (Pronaf).

Conforme divulgado pelo Governo Federal, em julho deste ano, os agricultores familiares de Mato Grosso do Sul dispõem de R$ 400 milhões em recursos para o Plano Safra 2023-2024 por meio do Pronaf. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA) esse é o maior volume de recursos na história do programa. Em todo o Brasil serão disponibilizados R$ 71,6 bilhões para agricultores familiares, 34% a mais do que o anunciado na safra passada.

Além de buscar soluções para facilitar o acesso dos produtores ao crédito disponibilizado, a Agraer convidou o Banco do Brasil para atuar em parceria nas diversas ações que ocorrem nos 79 municípios do estado com serviços gratuitos aos agricultores familiares. Uma dessas atividades é o “Agraer em Ação e Incra Itinerante” que leva aos municípios serviços de emissão do CAF (Cadastro Nacional da Agricultura Familiar), desbloqueio de lotes, emissão de Contratos de Concessão de Uso (CCU) atualizados e diversas orientações aos produtores.

“Essa interatividade com o Banco do Brasil nos trouxe resultados concretos. Nós fomos a primeira agência de Ater (Assistência Técnica e Extensão Rural) no país a conseguir disponibilizar o crédito do Pronaf A para um indígena e isso reforça o pedido do governador Eduardo Riedel para verticalizar as políticas públicas para a agricultura familiar com o governo federal, os estados e os municípios”, afirmou o diretor executivo Beto Carvalho.

Primeiro Pronaf indígena do Brasil

Neste mês, indígena da etnia terena Oto Pauferro, da aldeia Brejão, em Nioaque, recebeu o primeiro financiamento pelo Pronaf voltado a produtor indígena no Brasil. O projeto de crédito rural foi elaborado pelo técnico em agropecuária da Agraer Moacir Romualdo e aprovado pelo Banco do Brasil.

Após a aprovação, o Secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação, Jaime Verruck, participou de agenda com a equipe da Agraer, da Secretaria Executiva da Agricultura Familiar e do Banco do Brasil para dialogar sobre os atendimentos dos projetos do Plano Safra 2023/2024 para os agricultores familiares em razão do atual aumento do volume de crédito disponibilizado pelo Governo Federal. O objetivo é levar mais informações aos agricultores familiares para que eles se adequem às condições estabelecidas para obter os financiamentos.

“Estamos fortalecendo cada vez mais esse vínculo com os operadores de crédito e criando canais de diálogo permanente para beneficiar o maior número de agricultores familiares do estado com o Pronaf, que é um recurso fundamental para o incentivo à produção nas áreas da agricultura familiar, em especial nos territórios dos povos indígenas e comunidades tradicionais, que antes careciam desse apoio”, ressaltou o diretor-presidente da Agraer, Washington Willeman.

Fonte: Agraer

BB e Banco Mundial fazem acordo de US$400 mi para recuperar Amazônia

Publicado em: 21/09/2023


O Banco do Brasil e o Banco Mundial assinaram nesta terça-feira, dia 19 de setembro, memorando de entendimento para estabelecer uma linha de crédito de 400 milhões de dólares para a agricultura sustentável e a recuperação de áreas degradadas na região amazônica.

O acordo chega na esteira de um anúncio conjunto no ano passado de um projeto de 500 milhões de dólares para expandir o financiamento sustentável e melhorar a capacidade do setor privado de acessar os mercados de crédito de carbono.

“Este acordo para mais 400 milhões de dólares é o segundo do BB com o Banco Mundial e trará recursos destinados à agricultura sustentável, recuperação de áreas degradadas e bioeconomia”, disse Francisco Lassalvia, vice-presidente de Negócios de Atacado do Banco do Brasil.

O Banco Mundial, em um comunicado separado que não mencionou o valor da linha de crédito proposta, disse que ambas as instituições concordaram em cooperar na identificação de soluções sustentáveis ​​para a bioeconomia, restauração florestal e de terras do Brasil.

A nota também afirmou que eles examinariam a agricultura sustentável e de baixo carbono, especialmente nos biomas da Amazônia e do Cerrado.

“Esses esforços visam apoiar, entre outros, o plano nacional do Brasil para combater o desmatamento na Amazônia”, afirmou o Banco Mundial.

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva busca posicionar-se como uma liderança no desenvolvimento verde, atraindo investimentos com um amplo plano de transformação ecológica, que inclui um mercado regulamentado de créditos de carbono e a emissão dos seus primeiros títulos verdes.

O governo federal também deverá anunciar esta semana a revisão de suas metas climáticas, parte dos esforços de Lula para restaurar a gestão ambiental do país após o elevado desmatamento da Floresta Amazônica sob o ex-presidente Jair Bolsonaro.

Fonte: UOL

Atuação do BB na Expointer supera em 41% movimento de 2022

Publicado em: 15/09/2023


O balanço consolidado da atuação comercial do Banco do Brasil na Expointer 2023 registra movimento recorde de R$ 1,7 bilhão de propostas para financiamento de atividades rurais, além da aquisição de máquinas e implementos.

O número de propostas é 41% superior ao registrado na edição da Feira realizada tradicionalmente na cidade gaúcha de Esteio em 2022, sendo considerada uma das principais feiras do agronegócio da América Latina.

A presença do BB na Expointer começou um mês antes da abertura formal do evento, com agendas de reuniões que mobilizam as Carretas Agro BB. Na fase pré-feira são realizadas ações comerciais com a participação dos produtores e empresas do agro para a prospecção de negócios que dinamizam a economia regional.

O estande do Banco do Brasil na Expointer teve encontros, eventos, campanhas e promoções focados em ações de relacionamento e de negócios, como a assinatura de operações rurais, eventos com clientes e realização de palestras técnicas.

“Somos o maior parceiro da agricultura familiar e do agronegócio brasileiro, com atuação em mais de 5,4 mil municípios, levando proximidade no atendimento e apoio especializado onde o Agro acontece ”, destaca o vice-presidente de Agronegócios do BB, Luiz Gustavo Lage.

O executivo do BB destaca ainda que, na Expointer não foi diferente, o Banco do Brasil teve a oportunidade de estar muito próximos dos clientes, para fortalecer suas parcerias, relações de confiança e geração de valor em toda a cadeia do Agro

Na atual safra, o Banco do Brasil já superou a marca de R$ 50 bilhões desembolsados, valor 6% acima do registrado no mesmo período da safra anterior. Esse volume foi liberado em mais de 150 mil operações, sendo 70% dessa quantidade realizado com agricultores familiares e médios produtores.

Fonte: Banco do Brasil

 

Plataforma Broto, do BB, gera R$ 1 bilhão em negócios até julho

Publicado em: 31/08/2023


O Broto, plataforma digital de agronegócio do Banco do Brasil, gerou mais de R$ 1 bilhão em negócios nos primeiros sete meses do ano. O valor representa aproximadamente um terço do montante originado desde o início de operação, em julho de 2020.

A audiência da plataforma também vem crescendo de forma acelerada: das visitas recebidas, 47,7% foram registradas de janeiro a julho deste ano. No mesmo período, a quantidade de clientes cadastrados subiu 136% – de 43.018 em 2022 para 101.555 até julho de 2023.

“Esses números refletem nosso foco na melhoria contínua da experiência de clientes e parceiros na plataforma. Temos investido em aprimoramento e desenvolvimento de funcionalidades que gerem valor para toda a cadeia do agro”, destaca Michel Jorge Samaha, diretor-presidente da Broto S.A.

Neste ano, além de seguir expandindo o portfólio de produtos e serviços do marketplace, o Broto agregou novas funcionalidades. Destaque para o pagamento com Cédula de Produto Rural (CPR), modalidade pela qual empresas recebem à vista e produtores rurais pagam na safra.

Em breve, a plataforma agregará outras formas de pagamento, como cartão de crédito, boleto e Pix, facilitando ainda mais a geração de negócios. Essas funcionalidades se somarão a outras já existentes, como o envio de proposta de financiamento e a contratação de consórcios.

Feira Broto Agro Show

Seguindo o viés de fomentar negócios e contribuir para o aumento da produtividade de toda a cadeia do agronegócio, o Broto traz mais uma novidade em 2023: o Broto Agro Show, uma feira on-line focada na oferta de máquinas e implementos com condições especiais.

Como o calendário de 2023 das feiras presenciais começa a entrar na reta final, o evento abre mais uma janela de oportunidade para produtores rurais e empresas fazerem negócios ainda em 2023, aproveitando a disponibilidade de recursos do Plano Safra 23/24.

O Broto Agro Show ocorrerá de 04 a 30 de setembro, dentro da plataforma Broto, e será aberto a produtores de todo o país. Importantes empresas do setor já confirmaram participação e estão preparando ofertas exclusivas para o período do evento.

Sobre o Broto

Broto é a plataforma digital de agronegócio do Banco do Brasil. Criada em 2020, reúne, em um só lugar, tudo que o produtor precisa para expandir seus negócios, com soluções para todas as etapas da cadeia produtiva.

Conta com uma loja virtual com milhares de produtos e serviços de diversas categorias, como máquinas, implementos, energia, armazenagem, insumos e agricultura de precisão. Ainda, facilita o acesso a soluções financeiras e de proteção do BB e empresas coligadas.

O Broto também disponibiliza ferramentas para ajudar na gestão rural, como os simuladores de safra, plantio, energia solar, clima e balanço hídrico, bem como cursos gratuitos, notícias do setor e eventos virtuais. Conheça o jeito digital de fazer agro: www.broto.com.br.

Fonte: Banco do Brasil

BB já desembolsou mais de R$ 115 bilhões ao agronegócio em 2023

Publicado em:


O Banco do Brasil liberou mais de R$ 115 bilhões ao agronegócio e à agricultura familiar no Brasil se janeiro até este dia 25 de agosto. O volume representa um aumento de 12% sobre o mesmo período do ano passado, quando foram liberados R$ 102,5 bilhões.

Na atual safra 2023/2024, já foram desembolsados cerca de R$ 40 bilhões, o que representa 6% de crescimento sobre o mesmo período de julho e agosto da safra passada. Em julho e agosto, foram mais de 122 mil operações contratadas.

O destaque fica para os financiamentos contratados com agricultores familiares (Pronaf) e médios produtores (Pronamp) que representam 70% do total das operações, em mais de 4 mil municípios em todas as regiões do país.

A robustez dos números reforça o compromisso do Banco do Brasil com o campo no maior plano safra da nossa história, com um total de R$ 240 bilhões em crédito, aumento de 26% no volume de recursos na comparação com o Plano Safra anterior.

O diretor de agronegócios do BB, Jayme Pinto Júnior, destaca a agilidade e a capilaridade do BB como diferenciais que se somam à tradição da atuação do Banco do Brasil junto à agricultura familiar e ao agronegócio brasileiros.

“O Banco do Brasil tem atuado em todas as regiões do país, com presença em 97% dos municípios brasileiros, seja em pontos próprios de atendimento, seja com correspondentes bancários, para levar recursos com a tempestividade necessária para que os produtores rurais possam garantir uma boa safra. Levamos conhecimento técnico e soluções financeiras personalizadas para toda a cadeia de produção e isso reforça nosso protagonismo histórico nos negócios no campo”, afirma.

O diretor destaca ainda que as operações sustentáveis são foco da empresa, que conta com uma carteira de crédito sustentável da ordem de R$ 321,6 bilhões, um saldo 23% maior do que nos últimos 12 meses.

“Atuamos com recursos próprios também para recuperação de áreas degradadas, para investimentos em ampliação de estruturas de armazenagem e de ampliação de área irrigada”, complementa o diretor do Banco.

Fonte: Banco do Brasil

Banco do Brasil deve ofertar R$ 1,5 bilhão em crédito durante a Expointer

Publicado em: 24/08/2023


O Banco do Brasil espera acolher R$ 1,5 bilhão em propostas de financiamentos para o setor agropecuário durante a Expointer, que será realizada em Esteio (RS) a partir deste sábado (26/8). O montante é 50% superior ao volume total das operações originadas na edição passada da feira.

O BB informou, em nota, que vai disponibilizar condições diferenciadas para o financiamento de máquinas, equipamentos e implementos agrícolas no evento, o primeiro da safra 2023/24.

“O volume de desembolsos nos meses de julho e agosto expressam nosso compromisso em assegurarmos que os recursos cheguem de forma rápida aos produtores rurais, garantindo que os produtores possam adquirir suas máquinas e insumos nas melhores condições possíveis”, disse, em nota, o vice-presidente de agronegócios do Banco do Brasil, Luiz Gustavo Lage.

Em 2023, o BB já desembolsou mais de R$ 96 bilhões em financiamentos rurais. No Plano Safra 2023/24, iniciado em julho, já foram liberados mais de R$ 21 bilhões.

Durante a Expointer, o BB vai disponibilizar mais soluções para o agronegócio por meio do WhatsApp. Além de consultar detalhes das linhas de custeio e investimento e sobre o Broto, plataforma digital e marketplace do banco, o produtor rural também poderá acessar informações sobre as Opções Agro do BB, medida usada para proteger as finanças das variações de preços do mercado das commodities agropecuárias, e usar o simulador de investimento rural, por meio do qual será possível simular taxas, valor aproximado das parcelas e o prazo de financiamento de máquinas e implementos, animais, culturas de longa duração, construções e benfeitorias.

Fonte: Globo Rural

BB já desembolsou mais de R$ 96 bilhões ao agronegócio em 2023

Publicado em: 11/08/2023


De janeiro a julho de 2023, o Banco do Brasil liberou mais de R$ 96 bilhões ao agronegócio e à agricultura familiar no Brasil, representando um crescimento de 14% em relação ao mesmo período de 2022.

Nesse período, foram contratadas mais de 304 mil operações, sendo 61% para pequenos e médios produtores, aumento de 8% no total de operações para esse público em comparação ao mesmo período do ano anterior.

Tarciana Medeiros, presidente do BB, reafirma o protagonismo do Banco nos negócios no campo em toda a cadeia produtiva do agronegócio, desde a agricultura familiar até os grandes conglomerados exportadores.

“Nosso grande diferencial competitivo é saber atuar em cada um desses segmentos, levando soluções financeiras personalizadas, para dentro e fora da porteira. Em um país com as dimensões do Brasil, somos a instituição financeira mais preparada, com a maior capilaridade e agilidade para atender as demandas do setor”, diz Tarciana.

O BB está presente em 93% dos municípios brasileiros e considera que essa é uma das razões que o faz ser reconhecido pelo mercado como o principal parceiro do agronegócio nacional.

“Temos a capacidade de rapidamente distribuir recursos para produtores rurais de todos os segmentos, em todos os cantos deste país. Nossa rede especializada leva assessoria financeira e estimula a adoção das melhores técnicas agropecuárias, o que tem contribuído para o agronegócio e a agricultura familiar prosperarem cada vez mais”, ressalta a presidente do Banco do Brasil.

A executiva diz que a prova concreta desse compromisso com o campo foi o lançamento do maior plano safra de nossa história, no final de junho, com o anúncio de R$ 240 bilhões em crédito, com aumento de 26% no volume de recursos.

O Banco do Brasil já alcançou volume recorde da ordem de R$ 21 bilhões no mês julho de 2023, representando crescimento de 11% em relação ao mês de julho de 2022. Ao todo, foram contratadas mais de 60 mil operações no mês, em mais de 4 mil municípios em todas as regiões do País. Os financiamentos contratados com agricultores familiares (Pronaf) e médios produtores (Pronamp) representam 66% do total das operações.

Fonte: Banco do Brasil

Agronegócio amplia crescimento da carteira de crédito do Banco do Brasil no Acre

Publicado em: 10/08/2023


A superintendência do Banco do Brasil no Acre informou neste domingo, 6, que a carteira de crédito do banco destinada ao agronegócio no estado hoje é de um bilhão e duzentos milhões de reais, um crédito acumulado graças às ações do governo, que tem, segundo o superintendente do Banco, Daniel Rondon, garantido que esse incentivo aumente a cada ano.

Segundo Rondon, somente na Expoacre foram gerados, em negócios de crédito agro, mais de R$ 80 milhões, tanto para pessoa física quanto jurídica. No entanto, a expectativa é de superar esses números com o fechamento dos negócios das duas últimas noites.

“No ano passado, chegamos aqui com uma expectativa e superamos o dobro da expectativa, e isso nos motiva a continuar vindo”, diz Rondon, para quem a feira aproxima o produtor rural da assistência técnica que o Banco tem disponibilizado em seu estande, além dos parceiros do setor agrícola e as revendas presentes.

Um dos principais motivos desse sucesso, no entanto, é o fato de que a feira hoje é um evento completo, pois aproxima o produtor do financiador. “A feira está completa, pois ela traz conhecimento, traz crédito e aproxima o produtor do fornecedor”, destaca Rondon.

Um dado importante é que desse R$ 1,2 bilhão aplicados da carteira de crédito do Banco do Brasil para o setor agro no Acre, 51% é destinado à agricultura familiar. Com isso, há um investimento tanto para os médios e grandes produtores, que sempre recebem a atenção do agronegócio, como também para os pequenos produtores da agricultura familiar, aqueles que fornecem para o estado e para diversas instituições, além de venderem seus produtos em feiras e supermercados no Acre.
Sucesso da feira

O coordenador da Expoacre, secretário de governo Alysson Bestene, fez questão de agradecer o apoio do Banco do Brasil pelo suporte ao agronegócio acreano, destacando que a feira é uma oportunidade de ampliar as perspectivas para o produtor local.

“O Acre é um estado de grandes oportunidades para o agronegócio e a feira tem mostrado isso. Avançamos muito na cultura do café, do milho e da soja, e temos potencial para crescermos mais. O total dessa carteira de crédito mostra que o governo está no caminho certo ao criar as condições para que o produtor possa escoar sua produção. É notório o crescimento do setor agrícola na gestão do governador Gladson Cameli”, afirmou Bestene.

Fonte: Agência Acre

BB desembolsou R$ 12 bilhões nos 20 primeiros dias da safra 2023/24

Publicado em: 31/07/2023


O Banco do Brasil (BBAS3) informou que desembolsou R$ 12 bilhões em crédito rural nos 20 primeiros dias desta safra 2023/24, que começou em 1º de julho. O montante é 28% superior ao registrado no mesmo período do ciclo 2022/23 e representa um novo recorde para um início de temporada.

Líder histórico no segmento, o BB prevê liberar, no total, R$ 240 bilhões em 2023/24, ciclo que vai terminar em 30 de junho do ano que vem, 27% mais que em 2022/23. A expectativa é que grandes produtores contratem R$ 139 bilhões em linhas de custeio, investimentos, comercialização e industrialização, enquanto pequenos e médios tendem a tomar R$ 48 bilhões.

Segundo a instituição, pequenos e médios produtores rurais foram responsáveis por 60% das mais de 36 mil operações registradas nos primeiros 20 dias da safra atual. No fim de março, o saldo da carteira de crédito agro do Branco do Brasil chegou a R$ 300 bilhões.

Fonte: Infomoney

BB: novas regras de equalização de juros do Plano Safra são negativas para instituição, apontam analistas

Publicado em: 17/07/2023


O Ministério da Fazenda divulgou na terça-feira (10 de julho) as regras e entidades financeiras que vão atuar na equalização de juros do Plano Safra 2023/2024 (“Plano Safra 2023/2024”) . Anunciado no mês passado como o maior Plano Safra da história — com recursos que somam R$ 435,8 bilhões entre agricultura familiar e empresarial — o programa deste ano também contará com o maior número de instituições autorizadas a operar com os benefícios oferecidos pelo governo.

No total, 21 instituições foram autorizadas a operar com os recursos do Plano Safra que contém taxas de juros e condições dependentes do tipo de produto, enquanto o limite total de equalização aumentou 19% na base de comparação anual, para R$ 138 bilhões na Safra atual.

Além disso, as despesas administrativas e tributárias (CAT), que é a principal taxa utilizada para os juros de equalização, foram reduzidas em 0,34 ponto percentual para o setor, para 3,14%. O valor da equalização de juros é pago pelo Tesouro Nacional e representa a diferença de taxa entre o custo de captação, acrescido de eventuais despesas administrativas e tributos incorridos pelas instituições financeiras, e as taxas cobradas do produto final do crédito rural.

Em relatório, analistas do Bradesco BBI e do JPMorgan não tiveram visão positiva das medidas anunciadas para o Banco do Brasil. Para o BBI, a primeira leitura é negativa, enquanto o JPMorgan vê os anúncios como mistos.

Isso porque, de acordo com as novas regras, o limite total de equalização do Banco do Brasil foi reduzido em 16% para o Plano Safra 2023/2024, indo de R$ 42 bilhões no plano anterior 2022/2023 para R$ 35 bilhões, enquanto seu valor total para 0 atual Plano aumentou 27%, de R$ 188 bilhões no plano 2022/2023 para R$ 240 bilhões.

“A nosso ver, isso representa alguns riscos para o nível de rentabilidade do Banco Brasil no segmento rural, embora reconheçamos que o banco possui mecanismos para mitigar essas notícias negativas. Esses mecanismos incluem: i) aumentar a participação nas taxas de juros livres e ii) ganhar participação de outros participantes que não conseguem originar o valor mínimo de empréstimos rurais”, avalia o Bradesco BBI.

Segundo os analistas do BBI, os juros de equalização têm um impacto significativo no banco. Por exemplo, os juros de equalização totalizaram R$ 5,7 bilhões para o Banco do Brasil em 2022 e R$ 1,4 bilhão no 1T23, representando 7,8% e 6,8%, respectivamente, da receita líquida consolidada de juros do banco.

Para eles, o limite inferior de equalização do Banco do Brasil para a Safra 2023/2024 reflete uma competição potencialmente mais acirrada no segmento rural. Os analistas ainda observam que a CAT (despesas administrativas e tributárias, % anual), que é a principal taxa utilizada para os juros de equalização, foi reduzida em 34 pontos-base (bps) para a indústria, para 3,14%, enquanto caiu apenas 19 bps para o Banco do Brasil para 3,89%.

A perda de parte de sua fatia no limite de equalização devido ao acirramento da concorrência veio principalmente do Sicredi, BNDES e Banrisul (BRSR6), na visão dos analistas. Os demais bancos registraram expansões significativas em seus limites de equalização de 84%, 33% e 408 % ao ano, respectivamente.

“É importante ressaltar que as instituições financeiras devem atender às exigências e informar sobre a utilização do volume e as previsões de pagamento; caso contrário, os direitos podem ser removidos. Assim, caso as instituições financeiras não originem conforme planejado, pode haver uma redistribuição dos limites de equalização, acabando por beneficiar os maiores players do setor, como o Banco do Brasil”, aponta.

O BBI tem recomendação neutra para BBAS3, com preço-alvo de R$ 48, quase uma estabilidade frente o fechamento da véspera, de R$ 48,34. O JPMorgan, por sua vez, tem uma leitura mista sobre as definições da véspera sobre o programa.

O banco americano reforça que a participação de mercado em recursos de equalização caiu cerca de 10 pontos percentuais (p.p.), para 25% este ano, para o banco.

O plano deste ano teve alguns ajustes regulatórios, avalia o JP, com realocações trimestrais e não anuais. Basicamente, o Ministério da Fazenda pode movimentar recursos de bancos que não desembolsam empréstimos com a rapidez necessária. Além disso, havia um limite máximo de 30% de desembolsos por player (o BB, com 25%, continua sendo o maior).

Fonte: GC Notícias

 

BB anuncia maior Plano Safra da história, com R$ 240 bi alocados para temporada 2023/2024

Publicado em: 07/07/2023


O Banco do Brasil irá destinar R$ 240 bilhões para o financiamento da Safra 2023/2024. O volume, 27% superior ao observado na safra passada, reforça o compromisso histórico do Banco do Brasil com o agro brasileiro.

Os agricultores familiares e médios produtores contarão, inicialmente, com R$ 48 bilhões, enquanto a agricultura empresarial terá R$ 139 bilhões.

Para o custeio, será destinado R$ 121 bilhões. As operações de investimento, que levam tecnologia ao campo, receberão R$ 42 bilhões. Outros R$ 24 bilhões estão destinados para comercialização e industrialização, enquanto que títulos, crédito agroindustrial e giro terão R$ 53 bilhões.

Safra 2022/23

O Banco do Brasil desembolsou R$ 188 bilhões na Safra 2022/2023. No período, foram contratadas mais de 590 mil operações, sendo 53% dessas contratadas com agricultores familiares.

A presidenta do BB, Tarciana Medeiros, afirma que os valores disponibilizados corroboram a força e a importância do agronegócio, bem como o protagonismo do BB no setor.

“É o maior volume de recursos que uma instituição financeira destina aos produtores rurais e empresas do agronegócio. O apoio ao campo é prioridade para o Banco do Brasil. E, quando digo isso, penso em toda a cadeia do agronegócio. Desde o agricultor familiar, passando pelos grandes empresários e alcançando os conglomerados do agronegócio, o BB está, e se manterá, presente com todas as soluções financeiras necessárias para que esse setor da nossa economia continue a prosperar”, diz a CEO do BB.

Em março desse ano o BB atingiu a marca de R$ 300 bilhões em saldo de carteira de crédito agro, demonstrando a relevância do agro nos negócios do Banco e o compromisso em atender as demandas dos produtores.

Negócios sustentáveis

O Banco do Brasil reafirma seu compromisso com a agricultura sustentável, finalizando março/23 com saldo de R$ 150,4 bilhões em saldo de carteira de negócios sustentáveis agro, crescimento de 23% nos últimos doze meses. A carteira é composta por operações de crédito e empréstimos para os setores de energias renováveis, eficiência energética, entre outros.

Circuitos de negócios e treinamentos agro

Os Circuitos de Negócios e Treinamentos Agro estão levando conhecimento e capacitação a milhares de agricultores familiares de todo o país.

As cinco carretas agro participam ativamente da construção de um agro sustentável promovendo a combinação da teoria e da prática, levando exemplos e orientações que contribuam para o crescimento da renda das famílias, movimentando a economia das cidades em todas as regiões do Brasil.

Fonte: Banco do Brasil

Nova campanha do Banco do Brasil reforça apoio ao Agronegócio com Plano Safra

Publicado em:


O BB retorna à mídia e lança nova campanha, assinada pela Lew’Lara\TBWA. O foco é o Plano Safra 2023/2024, projeto de incentivo ao agronegócio nacional, sob o conceito “O agro é da gente, e o nosso apoio é para todos do Agro”.

A campanha reforça a importância econômica do setor e, para reforçar que o Plano Safra é realmente para todos, o BB exibe mulheres produtoras rurais dentro do quadro “Belezas da Terra”, do programa “É de Casa”, da TV Globo. Com a apresentadora do quadro, Juliana Sana, uma gerente BB conhece algumas propriedades rurais pelo Brasil, lideradas por mulheres, e apresenta as soluções de crédito do Banco com o Plano Safra. Durante a ação, a gerente resolve as principais dúvidas das produtoras rurais de quem pode e como contratar o crédito com o Banco do Brasil.

Clique aqui e confira o filme da campanha. Além de filme, a campanha conta com peças no digital, rádio e ação de merchan.

Banco do Brasil e Visa lançam Campanha Ouro Agro BB com prêmios de até R$ 35 mil

Publicado em:


Clientes produtores rurais do BB terão a chance de concorrer a prêmios incríveis que poderão auxiliá-los em seus negócios e facilitar o trabalho diário, além de pontuarem no programa Benefícios BB com a promoção Ouro Agro BB.

Ao realizar transações agro com o cartão Ourocard Visa, o cliente receberá números da sorte, de acordo com o somatório das transações aprovadas no período, e concorrerá ao sorteio de cartões pré-pagos que poderão ser convertidos em premiações que contribuam para a expansão da sua produção agropecuária.

Entre as sugestões de prêmios temos: motobombas elétricas, centrífugas, assinatura iRancho (um sistema de gestão de pecuária de corte), medidores de umidade de grãos, cortadores de grama, roçadeiras a gasolina, podadores de cerca, kits geradores de energia solar, quadriciclos e, o grande prêmio final, um drone no valor de R$ 35 mil.

O período da campanha é de 04/07/2023 a 30/12/2023 para as transações aprovadas nas funcionalidades agro custeio, agro investimento ou agro débito, realizadas nas agências ou estabelecimentos comerciais, e os sorteios dos prêmios serão realizados através da Loteria Federal.

Além da promoção Ouro Agro BB, a cada US$ 15 gastos em transações agro com o cartão Ourocard Visa, o cliente acumula um ponto no programa Benefícios BB. Essa promoção é válida de 01/05/2023 a 30/12/2023.

Para acompanhar a geração dos números da sorte, regulamento de campanha e outras informações, o cliente pode acessar o hotsite www.ouroagrobb.com.br.

Fonte: Banco do Brasil

Incaper e Banco do Brasil assinam convênio de parceria técnica

Publicado em: 19/06/2023


O Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e o Banco do Brasil assinaram, nesta segunda-feira (12), um acordo de cooperação técnica que amplia o suporte aos produtores rurais em projetos oriundos do Crédito Rural. A assinatura do convênio ocorreu na abertura do Circuito de Negócios Agro Banco do Brasil, em Cachoeiro de Itapemirim.

No evento, a Carreta Agro BB, do Banco do Brasil, ficará no município nestas segunda-feira (12) e terça-feira (13). O veículo serve de ponto de encontro para a realização de palestras, oficinas, apresentações de empresas capixabas e a divulgação do acesso ao crédito rural.

Além do convênio firmado, o Incaper participou da programação com a palestra “Conservação de água e solo com captação de água de chuva”, com o extensionista Edmar Celin, do município de Castelo.

O diretor-presidente do Incaper, Franco Fiorot, ressaltou a importância do Crédito Rural no Estado. “Da década de 1960 pra cá, algumas transformações ocorreram em nossa agricultura. A quantidade de máquinas agrícolas, nesse período, eram abaixo de 100 mil em território nacional. O último Censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), aponta mais de 1,2 milhão de tratores em todo o País”, contextualizou.

Fiorot destacou, nesse caso, as transformações que a agricultura brasileira, e capixaba, passou ao longo dos anos e a importância do Crédito Rural no Estado. “Vamos superar os obstáculos pensando em produtividade, em renda e em qualidade, cada vez mais exigidos pelo mercado, bem como a sustentabilidade. É preciso trabalhar esses elementos para que a gente possa garantir os indicadores econômicos e sociais da nossa agricultura”, afirmou.

“Nesta segunda-feira (12), assinamos a garantia de continuação da prestação de serviços aos produtores rurais e vamos ampliar a participação do Instituto com a iniciativa privada, nos projetos ligados ao Crédito Rural, para que os produtores possam continuar girando nossa economia agrícola” complementou Fiorot.

O gerente de Negócios do Banco do Brasil, Gustavo Pimentel de Melo, disse que, a cada R$ 10,00 aplicado no Estado, R$ 7,00 vêm do Banco do Brasil. “É um reconhecimento da relevância do banco para o agronegócio capixaba. Atualmente, R$ 5,5 bilhões são aplicados no agronegócio e 65% são classificados como crédito sustentável, que leva em consideração a parte ambiente, social e governamental”, salientou.

Fonte: Notícias Agrícolas

Banco do Brasil projeta R$ 350 milhões em negócios na Bahia Farm Show

Publicado em: 12/06/2023


O Banco do Brasil, reforçando seu compromisso de estar próximo aos produtores rurais, participou da Bahia Farm Show, uma das principais feiras do agronegócio brasileiro que ocorreu entre os dias 6 e 10 de junho na cidade de Luis Eduardo Magalhães (BA). Para fomentar e dinamizar o agronegócio na região, o BB promoveu 17 eventos pré-feira, mobilizando produtores rurais e empresas para a realização de novos negócios. Estima-se o volume de R$ 350 milhões em propostas acolhidas no evento, valor 86% superior ao observado em 2022.

A participação do BB contou com ações de relacionamento e promoção de negócios, realização de palestras técnicas, além da apresentação de soluções BB para os empreendimentos dos produtores e produtoras rurais. Destaque para o evento Mulheres no Topo, que contou com a participação de clientes produtoras rurais mostrando o papel das lideranças femininas no setor.

A presidenta do BB, Tarciana Medeiros, reforça o compromisso do BB com o agronegócio brasileiro e afirma que o Banco continuará levando aos produtores rurais as melhores condições para ampliarem sua produção de maneira sustentável. “Somos próximos e relevantes na vida de nossos clientes, proporcionando o desenvolvimento econômico e social do país com inclusão produtiva, assessoria financeira, disseminação de conhecimento e soluções digitais. Só de janeiro a maio, desembolsamos R$60 bilhões referentes ainda à safra 2022/2023, valor que é 23% superior ao mesmo período da safra passada. Além disso, maio foi um mês recorde também, com R$ 15,1 bilhões, um valor 13% maior que maio de 2022”, afirma. “O apoio do BB a toda a cadeia do agronegócio é um grande diferencial. Destaco aqui que os financiamentos contratados no Pronaf e no Pronamp representam 60% das nossas operações agro nesse ano. Só no Pronaf foram R$ 6,6 bilhões, um valor 24% maior que no ano passado”, enfatiza a presidenta do BB.

O Vice-Presidente de Agronegócios, Empréstimos e Financiamentos, Luiz Gustavo Braz Lage, destaca que “é vocação histórica do Banco do Brasil estar junto e misturado com os agricultores familiares, médios e grandes produtores, além dos demais integrantes da cadeia de valor do agro. Somos e seguiremos sendo o maior parceiro do agro de todos os tempos”.

Os visitantes puderam trocar pontos Livelo por produtos exclusivos durante a feira. Os pontos arrecadados com a comercialização dos produtos serão doados e convertidos em reais, sendo posteriormente repassados pela Fundação BB a projetos socioambientais do Programa Carbono Neutro BB no Estado da Bahia.

Fonte: Banco do Brasil

BB libera R$ 60 bilhões neste ano referente à safra 2022/2023

Publicado em:


O apoio do BB à toda a cadeia do agronegócio é um dos destaques do BB em 2023. De janeiro a maio deste ano, os desembolsos ao agro na safra somam R$ 60 bilhões, valor 23% superior ao observado no mesmo período da safra anterior.

Nos 5 primeiros meses de 2023, foram contratadas mais de 200 mil operações em 4,8 mil munícipios em todas as regiões do País. O mês de maio deste ano foi o melhor da história para o período. Foram desembolsados R$ 15,1 bilhões, soma 13% superior ao registrado no mesmo mês de 2022.

Os financiamentos contratados com os agricultores familiares (PRONAF) e médios produtores (PRONAMP) representam 60% do total de operações. No período, os desembolsos para a Agricultura Familiar (PRONAF) somaram R$ 6,6 bilhões, volume 24% superior ao mesmo período de 2022.

A carteira de crédito destinada a agro somou R$ 323 bilhões em março de 2023, representando crescimento de 27% em 12 meses.

A presidenta do BB, Tarciana Medeiros, afirma: “Estamos juntos do pequeno produtor rural e de todos os segmentos do agronegócio, para dentro e para fora da porteira. O agronegócio é e sempre será estratégico para o Banco do Brasil. Por isso, reafirmamos nosso compromisso de estar ao lado do produtor rural brasileiro, de todos os portes e de todas as regiões do país”. Ela ainda destaca a parceria histórica do Banco junto ao segmento agro: “Somos os líderes desse segmento da economia, o que contribui para o PIB brasileiro; e queremos ter posição de ainda maior destaque. Os números demonstram a prioridade que damos para nossa parceria com o agronegócio”.

A suplementação de recursos para o atual Plano Safra, publicada no Diário Oficial de 24/05, destinou R$ 4 bilhões em operações de custeio e investimento para o BB que já vem sendo desembolsadas desde o primeiro dia aos agropecuaristas. Em complemento aos volumes do Plano Safra, o Banco do Brasil disponibiliza linhas de crédito para custeio, investimento, comercialização e CPR com recursos próprios, atendendo toda a demanda do setor.

Para o Vice-Presidente de Agronegócios, Empréstimos e Financiamentos, Luiz Gustavo Braz Lage, “o volume recorde de desembolsos é resultado da vocação histórica do Banco do Brasil em estar próximo e apoiar os agricultores familiares, médios e grandes produtores, além de toda a cadeia de valor do agro. Seguiremos sendo o maior parceiro do agro de todos os tempos reforçando nosso protagonismo e fomento ao esse fundamental setor da economia brasileira”.

O Produto Interno Bruto (PIB) da agropecuária registrou alta de 21,6% no primeiro trimestre de 2023 ante o quarto trimestre, informou nesta quinta-feira (1º), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com o primeiro trimestre de 2022, o PIB apresentou avanço de 18,8%. O desempenho extraordinário da agropecuária contribuiu com cerca de 1,7 ponto percentual para a alta de 1,9% do PIB do primeiro de 2023 ante o quarto trimestre de 2022.

Fonte: Banco do Brasil

 

Agronegócio puxou lucro do Banco do Brasil, diz analista

Publicado em: 19/05/2023


O balanço do primeiro trimestre deste ano do Banco do Brasil (BB), divulgado nesta segunda-feira (15/5), registrou lucro líquido de R$ 8,5 bilhões, o maior valor entre bancos brasileiros nesse período. A quantia representa um avanço de 28,9% na comparação com o mesmo período de 2022. E o resultado foi fortemente puxado pelo agronegócio.

O BB informou que permanece líder de desembolso no plano safra 2022/2023, com um crescimento de 30% em relação à safra anterior, atingindo R$ 148,4 bilhões. A carteira, nesse caso, alcançou o saldo de R$ 322,5 bilhões, um crescimento anual de 26,7%.

Na avaliação de Hugo Queiroz, sócio da consultoria financeira L4Capital, outro dado relevante do balanço foi o crescimento da margem financeira bruta do banco, que totalizou R$ 21,2 bilhões, avanço de 38% em relação aos três primeiros meses de 2022. O índice de eficiência acumulado em 12 meses, outro ponto de destaque, atingiu 29%, o melhor da série histórica.

A rentabilidade, medida pelo retorno sobre patrimônio líquido, um indicador fundamental para a análise da saúde do setor, ficou em 21%, num elevação de 2,8 pontos percentuais sobre os três primeiros meses de 2022. O número superou o anotado pelo Itaú Unibanco, o melhor índice até então, que foi de 20,7%.

A inadimplência (na relação entre as operações vencidas há mais de 90 dias e o saldo da carteira de crédito) atingiu 2,62%. “Ela está em um nível bastante confortável e é a mais baixa do sistema financeiro”, diz Queiroz. Com o agravamento do cenário econômico no país, esse tema tem sido uma preocupação constante para os bancos.

O índice de cobertura da inadimplência foi de 202,7%. Esse percentual sofreu o impacto da dívida de um cliente específico do banco, cujo nome não foi citado, em recuperação judicial desde 2019. Desconsiderando esse efeito, a cobertura o número seria de 213,3%.

Fonte: Metrópoles

 

Com R$ 2,9 bi prospectados, BB supera estimativa de negócios na Agrishow

Publicado em: 12/05/2023


O Banco do Brasil informa balanço consolidado da sua atuação comercial na Agrishow 2023, que terminou nesta sexta-feira (5), em Ribeirão Preto. O BB registrou recorde de $ 2,9 bilhões em propostas para financiamento de máquinas e implementos. O número quase dobrou as expectativas do próprio Banco, que trabalhava com potencial de negócios da ordem de R$ 1,5 bilhão.

“Nossa presença comercial na Agrishow firma a parceria histórica com o setor, criando mais um capítulo de sucesso com novos recordes em negócios prospectados”, ressalta a presidente do Banco do Brasil, Tarciana Medeiros. A CEO do BB ressalta que o Banco consolida cada vez mais sua vocação de apoio à agricultura e à pecuária, com trabalho forte em toda a cadeia produtiva, com destaque para a agricultura familiar.

Maior parceiro do agronegócio brasileiro, o Banco do Brasil oferece linhas de crédito para toda a cadeia do agronegócio, do pequeno produtor até as agroindústrias e cooperativas, de modo a atender todas as fases dos empreendimentos nas finalidades de custeio, investimento, comercialização, industrialização e giro.

Plano Safra

O Banco do Brasil comemora mais um recorde de negócios no âmbito do Plano Safra. Até esta quarta-feira, 3 de maio, o BB acumula desembolsos superiores a R$ 154 bilhões (posição mais recentemente atualizada e pública) para o financiamento da safra 2022/23, desempenho que representa incremento de 29% na comparação com o mesmo período da safra anterior. São mais de 500 mil operações em mais de cinco mil municípios em todas as regiões do País, sendo 70% desses contratos realizados com agricultores familiares (Pronaf) e médios produtores (Pronamp). Os desembolsos no primeiro trimestre de 2023 para a agricultura familiar cresceram 36% em relação ao mesmo período de 2022, com R$ 4,4 bilhões liberados. O apoio do Banco do Brasil ao agronegócio brasileiro resulta na geração de negócios, renda para o produtor rural e fomento à toda a cadeia de valor do agro.

BB na Agrishow

A atuação do BB na Agrishow começou ante mesmo da presença física do seu time de gerentes na feira. Como forma de reforçar a proximidade com os produtores rurais o BB promoveu ações comerciais em 377 eventos pré-feira, cinco deles com a presença das Carretas Agro BB, mobilizando produtores rurais e empresas do agro para realização de negócios e dinamizando a economia nas localidades. Durante a feira, o Banco promoveu ações de relacionamento e de negócios, como a assinatura de operações rurais, eventos com clientes e realização de palestras técnicas.

Fonte: Banco do Brasil

 

Banco do Brasil fecha R$ 3 bilhões em negócios na Agrishow

Publicado em: 08/05/2023


O Banco do Brasil conseguiu fechar R$ 2,9 bilhões em negócios na 28ª Edição da Agrishow, a maior feira do agronegócio da América Latina. O evento ocorreu entre 1º e 5 de maio em Ribeirão Preto, no interior paulista, a 315 quilômetros da capital do Estado.

Com o resultado, o Banco do Brasil conseguiu novo recorde na Agrishow, de acordo com a revista Globo Rural. A cifra representa quase o dobro da expectativa inicial da instituição: R$ 1,5 bilhão.

Por meio de nota, Tarciana Medeiros, presidente do banco, disse que a presença comercial “firma a parceria histórica com o setor”. Na semana anterior ao início da exposição, o governo federal ameaçou retirar o patrocínio da instituição financeira à feira.

A ameaça ocorreu depois que Carlos Fávaro, ministro da Agricultura escolhido por Lula, disse estar desconvidado para a abertura do evento. Segundo o político, os organizadores o consultaram quanto à possibilidade de a comitiva presidencial alterar a data da visita, após o ex-presidente Jair Bolsonaro confirmar presença no primeiro dia da exposição.

Os organizadores da feira, entretanto, negaram o desconvite em um comunicado oficial publicado na quarta-feira, 26 de abril. O texto reiterou o convite para o ministro participar da abertura da exposição.

Em meio aos acontecimentos, houve o cancelamento da cerimônia de abertura. O ministro da Agricultura do governo não compareceu à exposição, ao contrário de Bolsonaro, que foi recebido por apoiadores no primeiro dia do evento. E o Banco do Brasil, por fim, manteve seu estande em funcionamento durante todos os dias da Agrishow.

Fonte: Revista Oeste

BB espera gerar R$ 1,5 bilhão em negócios durante a Agrishow 2023

Publicado em: 02/05/2023


O Banco do Brasil está presente na 28ª edição da Agrishow. Sediado na cidade de Ribeirão Preto (SP), o evento será realizado entre os dias 1º e 5 de maio. A expectativa do BB é de gerar R$ 1,5 bilhão em negócios.

Ao longo da tarde desta sexta-feira (28), diante de questionamentos da imprensa sobre patrocínio à feira, o BB emitiu, à noite, o seguinte posicionamento sobre manutenção de sua presença: “O Banco do Brasil informa que estará presente na Agrishow por meio de sua atuação comercial para realização de negócios e atendimento aos seus clientes. O Banco do Brasil tomará as medidas cabíveis se, durante a feira, houver qualquer desvio das finalidades negociais previstas”

Presente no dia a dia dos produtores rurais, o BB atua em eventos como a Agrishow, levando sempre as melhores condições para que os clientes ampliem a produção de maneira sustentável. Durante a feira, o Banco do Brasil promove ações de relacionamento e de negócios, como a assinatura de operações rurais, eventos com clientes e realização de palestras técnicas. Destaque para a apresentação Mulheres no Topo, que abordará o papel das lideranças femininas no agro com a participação de clientes produtoras rurais.

Antes mesmo da presença física na feira, o BB promoveu ações comerciais em 377 eventos pré-feira, sendo 5 com a presença das Carretas Agro BB, mobilizando produtores rurais e empresas do agro para realização de negócios e fomentando a economia nas localidades.

Desembolsos

O BB liberou, até 19 de abril, o montante de R$ 154 bilhões na safra 2022/23, crescimento de 29% na comparação com o mesmo período da safra 2021/22. São cerca de 500 mil operações em mais de 5 mil municípios em todas as regiões do País, sendo 70% desses contratos realizados com agricultores familiares (Pronaf) e médios produtores (Pronamp).

“Estamos cada vez mais consolidando nossa vocação de apoio à agricultura e pecuária. Estamos trabalhando forte em cadeia produtiva, desde o pequeno produtor até o financiamento da indústria que exporta. Nossos desembolsos para a agricultura familiar cresceram 36% em relação a 2022, com R$ 4,4 bilhões liberados. Tudo isso sem descuidar do agronegócio empresarial, com liberações superiores a R$ 35 bilhões até o mês de abril, 34% de crescimento em relação ao mesmo trimestre do ano passado”, ressalta a presidente do Banco do Brasil, Tarciana Medeiros.

O apoio do Banco do Brasil ao agronegócio brasileiro resulta na geração de negócios, renda para o produtor rural e fomento à toda a cadeia de valor do agro. O BB vai fortalecer a parceria histórica com o setor, criando mais um capítulo de sucesso com novos recordes em negócios prospectados.

Desconvite ao ministro

O evento do agronegócio sugeriu na semana passada que ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, não participasse da abertura para priorizar presença de Bolsonaro, que terá primeira agenda pública no Brasil após ser acusado de instigar tentativa de golpe. O Banco do Brasil, assim, comunicou que retiraria o patrocínio da Agrishow. A informação foi confirmada na sexta-feira (28/04) pelo ministro da Secretaria de Comunicação da Presidência, Paulo Pimenta.

Tradicionalmente, o titular da pasta da Agricultura é um convidado de destaque da abertura da Agrishow, ainda mais no início de um novo governo. Já a presença de ex-presidentes na abertura é inédita. Em 2022, o setor do agronegócio, em sua maioria, apoiou a candidatura à reeleição de Jair Bolsonaro.

Segundo relatou o ministro Carlos Fávaro, o presidente da feira, Francisco Matturro, entrou em contato com a pasta para informar sobre a presença de Bolsonaro na abertura, e que isso poderia causar desconforto ou manifestações contrárias ao governo.

“Eu fui desconvidado talvez para evitar algum mal-estar. Foi pedido se não seria melhor eu ir no dia 2. Eu entendi o recado, compreendo”, disse o ministro. “Entendo que o Brasil precisa avançar, lá é uma feira de negócios não é um palanque político. Mas se em determinado momento quiserem transformar a Agrishow num palanque político isso é direito de seus organizadores que podem fazê-lo com tranquilidade”, criticou Fávaro.

À jornalista Andréia Sadi, o ministro afirmou acreditar que toda a situação foi coordenada com o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), um aliado de Bolsonaro, numa tentativa de constranger o governo politicamente.

O presidente da feira negou que tenha desconvidado Fávaro para a abertura da Agrishow. Ao Globo Rural, Matturro disse que era sua “obrigação informar o ministro do movimento que está acontecendo em Ribeirão Preto”. “Ligamos com a preocupação de informá-lo de que o ex-presidente virá à feira e queremos apenas informar que pode haver um constrangimento para todo mundo”, disse.

Bolsonaro deve comparecer à feira na companhia do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), um aliado do ex-presidente. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o convite para Bolsonaro visitar Ribeirão partiu do presidente do Sindicato Rural de Ribeirão Preto, Paulo Junqueira, que também preside a Associação Rural de Ribeirão e é vice-presidente da Associação Rural Vale do Rio Pardo.

A atitude da organização levou o governo a rever o patrocínio do Banco do Brasil à feira. O primeiro movimento público nesse sentido foi feito pelo ministro Márcio França (Portos e Aeroportos), que contestou no Twitter o patrocínio do banco. “Se a Agrishow não quer o governo federal no evento, não sei se Banco do Brasil e o Governo Federal deveriam continuar patrocinando o evento”, escreveu.

Fonte: Banco do Brasil com IstoÉ Dinheiro